Oficina Brasil


Nissan Frontier combina potência com muito conforto e tecnologia para uso em ambiente urbano

Você consegue imaginar uma bomba de óleo lubrificante elétrica com deslocamento variável funcionando no motor da Frontier para reduzir o consumo de diesel e emissões de gases e temais novidades para descobrir

Por Antônio Gaspar

 A robustez da Frontier vem com tecnologia que permite seu uso no campo ou na cidade com conforto que se assemelha ao de carro de passeio e uma de suas novidades está na suspensão, mas antes vamos conhecer um pouco mais sobre a sua trajetória desde a chegada da fabricante de automóveis Nissan no Brasil.

A Nissan Frontier tem outro nome na Europa e na Ásia, lá é conhecida como Nissan Navara e acho que não ficaria bem com este nome aqui no Brasil. Ela foi inicialmente desenvolvida para o mercado norte americano e chegou aqui no final da década de 1990 e foi o primeiro veículo da Nissan a ser fabricado no país, a partir de 2002, na cidade paranaense de São José dos Pinhais.

Esta pick-up é muito vendida a nível global ficando entre as 10 mais comercializadas.

Agora na sua 12ª geração a Nissan Frontier está completamente renovada e este utilitário chega ao nosso mercado com desenho moderno e muitas novidades tecnológicos, conforto e segurança. (Fig.1)

Com o conceito de Mobilidade Inteligente, a Frontier passa ser a melhor picape já produzida pela Nissan em seus mais de 80 anos de atuação no mercado automotivo.

A nova Nissan Frontier veio com o objetivo de ser utilizada em diversas atividades desde o trabalho pesado até nas viagens de final de semana com a família e também nos deslocamentos diários em ambientes urbanos, surpreendendo com o conforto de um carro de passeio e para entender como é este comportamento, tem que dirigir para comprovar.

Tecnologia e eficiência de novos materiais tornaram a estrutura ainda mais resistente com um chassi reforçado, chegando a ser quatro vezes mais forte, ao mesmo tempo em que é mais leve e eficiente quando comparado como modelo anterior.

O conforto e a segurança são os destaques nessa nova geração da picape da Nissan, que é importada do México. Entre os itens de série estão equipamentos como os bancos "Gravidade Zero", que foram inspirados na tecnologia desenvolvida pela NASA para eliminar a fadiga e melhorar o conforto para o condutor.

Design exterior marcante e interior funcional

A nova Nissan Frontier traz design exterior totalmente novo, com aparência "musculosa" ressaltada nas laterais mais altas do capô. O estilo combina força e elegância, proporcionando uma silhueta suave e equilibrada com a cabine. A assinatura do design da marca aparece em itens como a grade "V Motion" e os faróis em formato de bumerangue, que deixam evidente que este veículo robusto – tem 5,25 m de comprimento, 1,75 m de altura e 1,85 m de largura total – faz parte da mais atual família de modelos da Nissan.

O interior de estilo moderno e marcante foi concebido com dimensões, segurança e conforto adequados para condutor e passageiros, ampliando o espaço do painel, console central e assentos para oferecer funcionalidade avançada e muito mais tranquilidade na condução. Em relação à geração anterior, a altura do interior da cabine aumentou (874 milímetros), especialmente na segunda fila de bancos, e o espaço entre a cabeça e o teto cresceu, assim como a largura para os ombros. Já o bom espaço para as pernas na parte de trás permite que os passageiros possam desfrutar confortavelmente de cada viagem. Tudo isso garante ainda mais conforto em qualquer situação.

Os bancos dianteiros trazem a tecnologia "Gravidade Zero", proporcionando condução agradável em viagens de longas distâncias e evitando fadiga graças à posição do encosto, que distribui o peso de forma otimizada e equilibrada.

Os assentos traseiros são dobráveis, oferecendo fácil acesso à parte inferior para acomodar ferramentas e o macaco para trocar as rodas.

Outro conforto inédito para o modelo está no aquecimento em dois níveis de intensidade dos bancos do motorista e do passageiro. Dessa forma, os ocupantes desses assentos podem ter uma temperatura mais agradável em dias frios. Todos bancos são de couro.

O painel de instrumentos com a tecnologia TFT (Thin Film Transitor) é moderno, de fácil visualização e traz diversas funções. Além de poder visualizar as informações do tacômetro, por meio dos comandos localizados no volante, o motorista pode navegar entre nove telas disponíveis, que mostram as informações de funções como computador de bordo, configurações do sistema de áudio e detalhes sobre economia de combustível. Eles também permitem a configuração do controle do chassi e dos sistemas avançados de assistência ao motorista. (Fig.2)

A comodidade no interior ainda é ressaltada por detalhes funcionais como as três tomadas de 12V; entradas auxiliares USB, conexão para iPod; Bluetooth, cinco suportes para copos e onze compartimentos para acomodar objetos. Além disso, a Nova Nissan Frontier conta com confortos extras como cinco ajustes elétricos do banco do motorista (para frente, para trás, inclinação, ângulo e altura do assento e lombar) e ar-condicionado digital de duas zonas com saídas traseiras.

Também traz o sistema multimídia mais completo do mercado, o Nissan Multi-App, que conta com 2 Gb de espaço para baixar os aplicativos,

Oficinas premiadas para conhecer a picape Frontier

Jaguarauto Tecnologias Automotivas, localizada na Casa Verde, zona norte de São Paulo, a oficina está equipada e capacitada para atender todas as marcas de veículos.
Há mais de 30 anos no mercado automobilístico, a oficina é especializada Bosch Car Service, buscando sempre o que há de novo para se manter atualizado e acompanhando as tendências do mercado.
Oferece serviços de mecânica, funilaria e pintura e atende seguradoras, frotas e serviços particulares.
Quem nos recebeu foi o José, um dos sócios que já entrou na picape para dirigir e descobrir as novidades do carro. (Fig.3)

Carbofreio oficina multimarcas fica na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, e é uma empresa com mais de 27 anos de experiência, que desde o início sempre buscou parcerias com fabricantes que agregavam informações e suporte técnico.

Com a parceria de várias empresas expressivas no mercado, equipamentos de última geração para análise e diagnósticos precisos dos veículos produzidos atualmente, tanto na área de gerenciamento eletrônico, como na avaliação dos sistemas de freio e suspensão, direção hidráulica e ar condicionado.

A equipe de profissionais recebem treinamentos periódicos dos fabricantes de auto peças e montadoras de veículos para que possam acompanhar o desenvolvimento tecnológico dos mesmos, oferecendo assim segurança nos diagnósticos e serviços executados.

Quem lidera a equipe na Carbofreio é o Luiz que gosta de dirigir veículos fora de estrada. (Fig.4)

Master Diesel, especializada em veículos diesel está na zona leste de São Paulo é a típica empresa familiar onde o Algimar que é o pai e o Danilo que é o filho, fazem a empresa funcionar oferecendo serviços especializados na injeção diesel mecânica e eletrônica. No laboratório tem uma bancada de teste 615 que já foi objeto de desejo de muitos bombistas, mas com a chegada da eletrônica, esta máquina não tem trabalhado muito e dá espaço para outros equipamentos mais focados na eletrônica diesel dos veículos. (Fig.5)

Com décadas de experiência no segmento diesel, os proprietários tiveram a sua melhor fase na época da inspeção veicular onde formava até fila na entrada da oficina.

Com o encerramento das atividades da Controlar que fazia as inspeções na cidade de São Paulo, o serviço na oficina foi reduzido e a empresa passou por adequações para continuar ativa no mercado mas, sempre fica a esperança que a inspeção possa ser implantada novamente para garantir a melhora da qualidade do ar com a realização anual da manutenção correta nos veículos diesel.

Av. Souza Bandeira,688, Itaquera, São Paulo – fone 011 2749 4668

Dirigindo a picape Frontier

Picapes sempre chamam a atenção e a curiosidade para dirigir parece ser proporcional ao tamanho do carro e assim, o “Zé” da Jaguarauto entrou e se posicionou no banco do motorista, acionou o botão start e fomos andar pelas ruas do bairro da Casa Verde.

O fato de estar em um veículo grande, passa a sensação de estar mais protegido, seguro, mas é preciso tomar alguns cuidados ao dirigir porque a maioria dos veículos que estão na rua são pequenos.

Transitando pelas ruas estreitas do bairro, a picape passava pelas irregularidades sem afetar o conforto dos ocupantes. Isso mereceu o primeiro comentário do Zé ao dizer que o carro não fica pulando e se mantem firme, porem macio.

Para o Luiz da Carbofreio o motor surpreende pela resposta rápida por conta das duas turbinas que atuam em baixas e altas rotações, acabando com a antiga sensação que motor diesel é lento nas retomadas.

Respeitando o tamanho do carro, ele proporciona todo conforto de um carro de passeio e com a vantagem de poder viajar com a família e na caçamba cabe todas as malas sem a preocupação de falta de espaço.

Para quem é realmente do ramo como o pessoal da Master Diesel, que estão acostumados com caminhões, dirigir uma picape é pura diversão, foi o Danilo que demonstrou isso pelo sorriso no rosto enquanto acelerava pelas ruas da zona leste. O pai foi mais contido mas gostou muito do desempenho do motor turbinado que está sempre pronto em qualquer regime de rotação.

Para eles os carros novos sempre reservam algumas novidades e poder dirigir um carro que ainda não frequenta as oficinas, representa uma rara oportunidade de aprender antes dos outros e quando a matéria for publicada no jornal, o ganho do aprendizado será para todos.

Um comentário feito pelo Algimar e endossado pelo Danilo, foi a alegria de receber o visita e com um carro que eles ainda não conheciam, o que confirma todo o esforço realizado pelo Grupo Oficina Brasil em benefício dos reparadores de automóveis do Brasil e de outros países.

Motor

A nova Frontier está equipada com o motor YS23DDT/DDTT (M9T) Diesel, 4 cilindros, com catalisador e DPF.

Com 2.298 cm3 ou 2.3, bi turbo, tem capacidade de gerar 190 cavalos de potência.

Todo veículo diesel tem uma etiqueta na coluna B, lado passageiro, com o índice de fumaça em aceleração para inspeção veicular para altitude até 350m que é de 0,51m-1 para a nova Frontier.

Este índice é obtido para fins de homologado sempre ao nível do mar e este procedimento é aplicado a todos os veículos fabricados no Brasil e nos demais países. É um padrão Internacional.

A capacidade de óleo lubrificante deste motor com troca do filtro é de 6,3 litros.

A recomendação é para usar óleo genuíno Nissan com viscosidade SAE 5W-30, ACEA C4 DPF.

Tem que ser este óleo especificado porque este veículo está equipado com o filtro de partículas diesel DPF, o uso de outro tipo de lubrificante vai danificar o DPF.

E para concluir a troca do óleo, aplique um torque de aperto no bujão de dreno com 50 Nm ou 5 kg.

Na Master Diesel tivemos um pouco de dificuldade para localizar o filtro de óleo mas achamos. Descobrimos que o filtro é bem pequeno e deve caber uns três na palma da mão.

Com o capô aberto é possível ver o filtro por cima com o auxílio de uma lâmpada entre o radiador e o motor, ele fica na parte inferior do lado direito. (Fig.6)

 

Por baixo não é possível visualizar porque tem uma proteção que deve ser removida conforme segue: (Fig.7)

Solte os dois fixadores A e remova a cobertura de acesso do filtro de óleo.

1. Coloque um recipiente grande para drenagem sob o filtro de óleo.

2. Solte a cobertura do filtro de óleo B com uma ferramenta adequada.

3. Remova a cobertura do filtro de óleo, e remova então o filtro de óleo D.

4. Remova a junta C da cobertura do filtro de óleo.

5. Substitua o refil e execute a operação na ordem inversa.

Torque de aperto da cobertura do filtro de óleo: 25 Nm ou 2,5 kg

Indicador de troca do óleo

Quando a data da quilometragem ajustada estiver próxima, o indicador de substituição do óleo do motor será exibido no display.

Após substituir o óleo, reinicialize a distância para a substituição do óleo.

O indicador de substituição do óleo não irá reinicializar automaticamente.

Escapamento

A Nova Nissan Frontier também traz como novidade um botão no lado esquerdo do painel, perto da porta do motorista, que permite a regeneração do filtro particulado de diesel (DPF), componente do sistema de escape que vem sempre depois do catalisador e que serve para segurar as partículas características de motores a diesel. Para garantir a maior eficiência, a limpeza do filtro é necessária como parte da manutenção periódica.

DPF – Filtro de Partículas de Diesel

Quando o interruptor de ignição estiver na posição ON, a luz de advertência do filtro de partículas de diesel se acende.

Após dar partida ao motor a luz de advertência se apaga.

Isto indica que o sistema está operacional.

Quando a luz de advertência ficar acesa, isto indica que o material particulado se acumulou em uma quantidade especificada como limite no filtro e o filtro precisa ser regenerado.

O interruptor do filtro de partículas de diesel ou interruptor do DPF pode ser utilizado para iniciar o procedimento de regeneração do DPF. (Fig.8)

O interruptor acende quando a luz de advertência do DPF se acende, indicando para o motorista que o material particulado acumulou no filtro, e não pode ser queimado automaticamente.

Se você continuar dirigindo com a luz de advertência do filtro de partículas acesa sem executar a regeneração do filtro, isto causará uma sobrecarga de material particulado no filtro. Se isso acontecer, em seguida, a luz indicadora de falha (MIL) se acende indicando a necessidade de levar o veículo até uma concessionária Nissan.

O desempenho do motor pode ser limitado, para proteger o sistema DPF. (Fig.9)

Recomendações

Tenha cuidado para não se queimar com os gases de escape.

• Não estacione o veículo sobre materiais inflamáveis como grama seca, folhas, papéis ou panos, pois eles podem queimar facilmente.

Para obter o máximo desempenho do filtro de partículas de diesel (DPF), siga estas precauções:

• Use combustível com baixo teor de enxofre.

• Utilize o óleo do motor especificado pela Nissan.

 Se um óleo de motor não especificado pela Nissan for utilizado, pode causar mau funcionamento ao DPF ou reduzir a eficiência do combustível.

• Não modifique o DPF, o silenciador ou o tubo de escape.

Caso contrário, isso pode afetar o desempenho do DPF e causar mau funcionamento.

Não submeta o DPF a impactos. O DPF possui um sistema de catalisador embutido no silenciador. Qualquer impacto pode causar danos ao DPF.

O DPF reduz a quantidade de materiais que afeta o meio ambiente através da coleta das partículas inclusas nos gases de escape.

Normalmente, as partículas acumuladas no DPF são automaticamente queimadas e convertidas em substâncias inofensivas durante a condução.

No entanto, as partículas coletadas no DPF não podem ser queimadas sob as seguintes condições:

• Quando a velocidade do veículo permanecer abaixo de 15 km/h por um longo período de tempo.

• Quando o motor é frequentemente desligado e ligado novamente dentro de 10 minutos.

• Quando o motor é frequentemente utilizado em trajetos curtos de 10 minutos ou menos.

• Quando o motor é frequentemente desligado antes que fique aquecido.

Nestes casos, torna-se difícil queimar as partículas que se acumularam no DPF automaticamente.

Consequentemente, a luz de advertência do DPF se acenderá no painel de instrumentos e o interruptor do DPF piscará.

Isto não é uma falha.

Se a luz de advertência do DPF se acender, realize o processo de regeneração do DPF.

REGENERAÇÃO AUTOMÁTICA

Se a luz de advertência do DPF se acender, isto indica que as partículas estão acumuladas no limite especificado do DPF. As partículas coletadas no DPF não podem ser queimadas nas conduções do veículo em baixas velocidades.

Assim que for possível e de modo seguro, dirija o veículo em alta velocidade (acima de aproximadamente 80 km/h) até que a luz de advertência do DPF se apague.

Entretanto, sempre respeite as leis locais.

Quando as partículas acumuladas forem completamente queimadas, a luz de advertência do DPF se apagará.

Este procedimento tem a duração aproximada de 30 minutos.

REGENERAÇÃO MANUAL

Certifique-se de que ninguém esteja próximo à área de escape.

• Tenha cuidado para não se queimar com os gases de escape.

• Nunca realize a regeneração manual em ambiente fechado, tal como uma garagem, ou túnel, e assegure-se de que há ventilação sufi ciente para os gases de escape.

• Não estacione o veículo sobre materiais inflamáveis como grama seca, folhas, papéis ou panos, pois eles podem queimar facilmente.

• O filtro pode se tornar muito quente após a queima das partículas.

Durante o processo de regeneração, uma fumaça branca pode ser emitida do tubo de escape.

Esta fumaça pode ter um odor diferente dos gases de escape. Isto não indica uma falha no sistema.

• A regeneração manual não funcionará quando o motor, a temperatura do líquido de arrefecimento e a temperatura ambiente estiverem frios.

O processo irá se iniciar apenas após o aquecimento do motor.

• Se a luz indicadora do interruptor de regeneração do DPF não piscar mesmo após o aquecimento do motor e a luz de advertência do DPF se acender, isto pode indicar uma falha no sistema.

O veículo deverá ser encaminhado para um profissional da reparação automotiva ou uma concessionária Nissan para verificações.

• Durante o processo de regeneração, a rotação do motor aumentará primeiramente até 3.000 rpm (durante o aquecimento do motor), em seguida, diminuirá para 1.700 rpm.

Esta rotação do motor será mantida até que o processo de regeneração seja concluído.

O processo de regeneração tem a duração aproximada de 45 minutos. Em alguns casos, o tempo de conclusão poderá variar.

Se a luz de advertência do DPF se acender e a luz indicadora do interruptor de regeneração do DPF piscar:

1. Estacione o veículo com segurança fora da estrada, afastado do tráfego e em área aberta. Não estacione o veículo sobre materiais inflamáveis.

2. Acione o freio de estacionamento.

3. Mova a alavanca seletora para a posição

“P” (Park) (modelos com transmissão automática) ou “N” (Neutro) (modelos com transmissão manual).

Não desligue o motor.

4. Pressione o interruptor de regeneração do DPF A para iniciar o processo de regeneração.

A rotação do motor aumentará automaticamente.

5. O processo de regeneração do filtro é concluído quando a luz de advertência do DPF no painel de instrumentos e a luz indicadora do interruptor de regeneração do DPF se apagarem

Caso seja detectado algum dos seguintes sintomas, encaminhe o seu veículo para inspeção em uma concessionária Nissan.

• A luz de advertência do DPF não se apaga e a luz indicadora do interruptor de regeneração do DPF pisca novamente mesmo após a realização do processo de regeneração por três vezes consecutivas.

• Uma grande quantidade de fumaça preta é emitida do silenciador do veículo.

Interrompendo o processo de regeneração manual

Realize qualquer um dos seguintes métodos para interromper o processo (se necessário):

• Acione o pedal do acelerador ou o pedal do freio.

• Acione o pedal da embreagem (modelos com transmissão manual).

• Pressione e segure o interruptor de regeneração do filtro de partículas de diesel (DPF) por aproximadamente três segundos (a luz indicadora se apaga).

NOTA:

• Ao interromper o processo de regeneração manual, a luz de advertência do DPF pode se acender e a luz indicadora do interruptor de regeneração do DPF pode piscar. Se isto ocorrer, realize o processo de regeneração novamente.

• Se a luz indicadora do interruptor de regeneração do DPF continuar a piscar com a luz de advertência do DPF acesa, mesmo após a realização do processo de regeneração por três vezes consecutivas, isto pode indicar uma falha no sistema.

• Se a luz indicadora do interruptor de regeneração do DPF não se acender mesmo após o interruptor ser pressionado com a luz indicadora piscando, coloque o interruptor de ignição na posição OFF e aguarde por aproximadamente 3 minutos. Em seguida, retorne o interruptor de ignição para a posição ON e realize o processo de regeneração novamente a partir da etapa 4.

A fabricante japonesa Nissan conseguiu deixar ainda mais valente a nova Frontier, equipando o modelo com o novíssimo motor diesel 2.3 com duas turbinas, que desenvolve 190 cavalos de potência com um torque de 45,9 kgfm.

Estas turbinas utilizam uma estratégia de funcionamento conforme a necessidade de potência gerada pelo motor.

Os turbos trabalham em regimes de rotação do motor diferentes para permitir progressividade a aceleração. Assim, o de maior pressão atua junto com o de menor pressão no arranque e trabalha até a rotação estabilizar, desligando-se e deixando o de menor pressão sustentando o motor em velocidade de cruzeiro.

Rotação baixa

Em baixas rotações, a turbina pequena que é de alta pressão, fornece torque máximo para uma aceleração forte. (Fig.10)

Rotação alta

Na medida que as rotações aumentam, as válvulas de derivação desviam os gases do turbo pequeno de alta pressão. (Fig.11)

Rotação máxima

Nas rotações máximas, a turbina maior que é de baixa pressão assume e gera a potência máxima do motor. (Fig.12)

A injeção direta trabalha com 2.000 bar de pressão para os injetores pulverizem o combustível em forma de névoa proporcionando uma queima completa, gerando economia e alto desempenho.

Dentro do tanque de combustível tem uma bomba elétrica de baixa pressão que envia o diesel para o filtro equipado com sensor de temperatura e de presença de água.

Após passar pelo filtro, o diesel entra na bomba de alta pressão que fica atrás do motor em um local de difícil acesso para a realização de serviços.

O diesel pressurizado sai da bomba e entra no tubo de distribuição e em seguida vai para os quatro injetores instalados no cabeçote do motor, sob uma tampa protetora de plástico. (Fig.13)

Como sabemos que reduzir peso é ganho de desempenho, o novo motor ficou 10 quilos mais leve e também mais silencioso comparando com a versão anterior. O resultado é a garantia de um desempenho que equilibra força, conforto e consumo eficiente.

A pressão do óleo do novo motor é otimizada por conta do controle elétrico, reduzindo possíveis perdas causadas por fricção e tornando muito eficiente o consumo.

Os fabricantes de automóveis buscam maneiras de elevar a eficiência dos motores com a redução das cargas que tiram potência. A bomba de óleo é uma fonte de carga que tira potência e os fabricantes são motivados a desenvolver projetos pois as bombas de lubrificação de deslocamento positivo que são acionadas mecanicamente já existem há mais de 100 anos.

Uma bomba de óleo controlável, capaz de fornecer um fluxo variado com base nas condições de operação do motor é uma solução muito promissora.

Nos últimos anos, as preocupações com o meio ambiente se intensificaram, e uma variedade de melhorias na eficiência de combustível foram feitas na indústria automotiva.

Consequentemente, para responder às demandas de controle de sistemas complexos, o controle de sistemas por meio de motores elétricos tornou-se uma proposta atraente.

No entanto, como muitos acessórios foram motorizados, vários aspectos dos veículos foram submetidos a pressões crescentes e é difícil conciliar esses sistemas motorizados com demandas conflitantes por projetos compactos e de altos níveis de eficiência elétrica.

Para alcançar um maior grau de eficiência de energia elétrica, que é uma questão fundamental, foi desenvolvida uma nova bomba de óleo elétrica que utiliza um funcionamento altamente eficiente.

O projeto otimiza o ponto de operação do motor aumentando a eficiência da bomba e do motor ao mesmo tempo.

Além disso, também foi desenvolvido um novo controlador de economia de energia elétrica que mantém a saída mínima necessária e elimina a saída ineficaz contra a mudança da temperatura ambiente e a alteração da carga do motor.

EGR

Para o controle de poluentes e controle de temperatura na câmara de combustão, este motor utiliza válvula EGR que trabalha sob refrigeração controlada por duas válvulas situadas na parte da frente do radiador, por onde é possível todas as mangueiras e as duas válvulas. (Fig.14)

Arrefecimento

Uma curiosidade sobre o sistema de arrefecimento do motor da Nissan Frontier está no período de troca com estimativa do tempo de vida útil do líquido de arrefecimento do motor abastecido na fábrica é de aproximadamente 168.000 km ou 7 anos.

Transmissão

Este motor trabalha em conjunto com a nova transmissão automática de sete velocidades, que oferece total controle nas trocas de marchas. O equipamento também possui o modo sequencial para trocas manuais.

O novo câmbio trabalha de forma muito suave, ajudando a garantir um consumo eficiente. Com uma relação mais curta nas primeiras velocidades, que garante aceleração inicial e média mais ágeis.

O uso de um veículo com recursos especiais na tração necessita de cuidados adequados para não prejudicar os componentes. No caso do fluido da transmissão automática, use Matic S ATF. Não misture com outros fluidos.

• Caso seja utilizado um fluido diferente do Nissan Matic S ATF, será provocada uma deterioração da operação e da durabilidade da transmissão automática; estes danos não serão cobertos pela garantia Nissan.

Não basta dirigir, tem que saber como utilizar todos os recursos e também evitar algumas situações como testar o veículo equipado com o modo 4WD em dinamômetro de duas rodas ou equipamentos similares, mesmo se as outras duas rodas estiverem levantadas do chão.

Informe o técnico responsável pelo teste que o seu veículo está equipado com o modo 4WD, antes de colocá-lo no dinamômetro.

A utilização de um equipamento incorreto de teste poderá causar danos à transmissão ou provocar movimento inesperado do veículo e resultar em danos ao veículo ou em ferimentos pessoais.

CUIDADO

• Não dirija em estradas cuja superfície seja dura, no modo 4H ou 4LO.

Dirigir em superfícies duras e secas no modo 4H ou 4LO pode causar ruídos desnecessários, desgaste dos pneus e aumento do consumo de combustível.

• Caso a luz de advertência 4WD se acender quando você estiver dirigindo em estradas com superfícies duras e secas:

– No modo 4H, gire o interruptor do seletor de tração (4WD) para a posição 2WD. (Fig 15)

 

PROCEDIMENTOS AO ACOPLAR A CAIXA DE TRANSFERÊNCIA

O sistema 4WD oferece três posições (2WD, 4H e 4LO), de maneira que você possa escolher o modo de condução desejado, de acordo com as condições de condução.
O interruptor do seletor de tração (4WD) da caixa de transferência é utilizado tanto para o modo 2WD como para o modo 4WD, dependendo das condições de condução. Utilize o interruptor do seletor de tração (4WD) para selecionar o modo de tração (2WD, 4H ou 4LO).

Para fazer a mudança para o (ou do) modo 4LO:
1. O veículo DEVE estar parado.
2. Mova a alavanca seletora (modelos com transmissão automática) ou a alavanca de mudanças (modelos com transmissão manual) para neutro (N). Para os modelos equipados com transmissão automática, pressione o pedal do freio ou para os modelos com transmissão manual, pressione o pedal da embreagem.
3. O interruptor do seletor de tração (4WD) deve ser pressionado e girado ao fazer a mudança para o (ou do) modo 4LO.

SISTEMA DE BLOQUEIO ELETRÔNICO DO DIFERENCIAL TRASEIRO (E-LOCK)

O sistema E-Lock pode proporcionar tração adicional e deve ser utilizado apenas quando um veículo estiver atolado. 
Este sistema opera “bloqueando” eletronicamente as duas rodas de tração traseiras juntas, permitindo-as girar na mesma velocidade. 
O sistema é utilizado quando não é possível liberar um veículo atolado mesmo quando utilizada a posição 4LO (veículos com tração nas 4 rodas).
Quando for necessária tração adicional, ative o sistema E-Lock pressionando o interruptor.
Uma vez que o sistema ativar completamente, a luz indicadora no painel de instrumentos permanecerá acesa. 
Quando o sistema for ativado, ambas as rodas traseiras acoplarão, fornecendo tração adicional.
As rodas traseiras podem escorregar ou mover momentaneamente para ativar o sistema, que será ativado apenas por aproximadamente 7 km/h. 
Assim que o veículo estiver desatolado, o sistema deve ser desligado e a condução retomada.
O sistema ABS é desativado e a luz do ABS se acende quando o sistema E-Lock estiver ativado. 
Além disso, o sistema de controle eletrônico de estabilidade (VDC) é desativado e a luz do VDC se acende quando o sistema E-Lock estiver ativado. (Fig.16)

A capacidade de óleo do diferencial dianteiro é de 0,85 litros.
A especificação é Hipóide Super GL-5 80W-90 Genuíno Nissan ou equivalente (mineral)
A capacidade de óleo do diferencial traseiro é de 2,85 litros.
A especificação é Hipóide Super-S GL-5 sintético 75W-90 Genuíno Nissan ou equivalente
A caixa de transferência tem a capacidade de 1,5 litros.
É recomendado o uso do fluido original Nissan ATF D3M
Por falar em tração, o consagrado sistema Shift On The Fly evoluiu e continua presente na Nissan Frontier. 
Com opções de tração integral e reduzida, é acionado com o simples girar de uma manopla no painel com o carro em movimento até 100 km/h (antes era até 80 km/h), em qualquer tipo de terreno.

Pronta para todos os terrenos

A Nissan considerou os gostos e necessidades dos clientes da América Latina no desenvolvimento da nova geração da sua picape, investindo tempo e recursos para assegurar um modelo ainda mais robusto e forte.
O trabalho da engenharia da Nissan nos testes no Brasil, e em vários países latino-americanos, foi intenso. O objetivo era desenvolver um veículo global adaptado para enfrentar os diferentes desafios da região. Das selvas a desertos, com diferenças extremas de altitudes e clima, a Nissan considerou a diversidade e a intensidade de uso do utilitário que os seus clientes enfrentam no dia a dia.
Foram mais de um milhão de quilômetros rodados para testar e validar a confiabilidade da Nova Nissan Frontier, além das avaliações em laboratórios e em pistas da Nissan no Japão, Estados Unidos, Europa, Tailândia e México. Os testes passaram ainda por cinco expedições nos Andes, incluindo alturas extremas na fronteira entre Argentina e Chile, Bolívia, Equador e Peru. Assim, a Nova Nissan Frontier foi concebida, desenvolvida e testada para superar várias expectativas: passear com a família, superar caminhos com pisos irregulares ou enfrentar trabalhos pesados.
Por conta disso, a capacidade de fora de estrada vai além do padrão do segmento. A Nova Nissan Frontier conta com os melhores ângulos de saída e entrada (27,2º e 31,6º, respectivam

Comentários