Oficina Brasil


ANDAP e SICAP realizam evento para apresentar propostas de trabalho da nova gestão

O evento reuniu empresários da distribuição, fabricantes e os presidentes do Sincopeças-SP, Francisco De La Tôrre, do Sindirepa-SP, Antonio Fiola, e o representante do Sindipeças, Willliam Mufarej

Por Da Redação

Rodrigo Carneiro que acaba de tomar posse da presidência da ANDAP disse que a divisão das diretorias, formadas praticamente pelos mesmos membros, deve multiplicar a capacidade das atividades e que sua gestão se baseia em três pilares: relações institucionais, desenvolvimento de mercado e aprimoramento de serviços.

Carneiro também destacou exemplos que considera interessantes como o Sincades, do Espírito Santo, que tem uma universidade à disposição dos associados e a ANDAP será um fórum de discussão do aftermarket sobre modelos de negócios, bem como quer ampliar a delegação na federação e confederação do comércio. Também fará parceria com a Fundação Getúlio Vargas que possui cadeira do setor automotivo na grade de cursos de pós-graduação e com a Fundação Dom Cabral para promover conhecimento. Pretende compartilhar cases de sucesso, como a Scherer que desenvolve treinamento em gestão. “Vamos ampliar a atuação da entidade em âmbitos nacional e internacional. Este ano participaremos da Autopar e Autop e também será organizada comissão brasileira para a Automechanika, em Frankfurt, com realização e workshop”, informou.

Entre as medidas voltadas à redução de custos devido à queda da arrecadação com a Reforma Trabalhista que acabou com a obrigatoriedade da contribuição sindical, Carneiro disse que estuda criar estação de coworking, compartilhando espaço com outras entidades, como Sindirepa, Sincopeças, Sicop e Abrapneus.

Já com relação aos serviços prestados pela entidade aos associados, a ideia é ampliar e apresentar parcerias que ofereçam condições diferenciadas em várias áreas: seguro, frete, banco, refeição e assessoria jurídica e qualidade de gestão.

O novo presidente do SICAP, Alcides José Acerbi Neto, afirmou que por causa das mudanças na arrecadação é preciso ter uma visão empresarial e que o modelo deve ser repensado. Fez questão de citar os nomes de toda diretoria e destacou que o SICAP é responsável por normas coletivas de trabalho por força da Constituição Federal para defender os interesses das empresas junto a sindicatos de trabalhadores e cada item da pauta tem grande impacto nas associadas e isso exige trabalho e investimento, sendo necessário cobrir as despesas. “Demandas formais, tributárias ou trabalhistas são obrigatoriamente conduzidas pelo sindicato. Não sou a favor da contribuição sindical, mas da contribuição associativa para manter a qualidade dos serviços obrigatórios e para oferecer cursos de capacitação e reciclagem, participação em seminários, feiras, eventos esportivos para integração, realização de reuniões plenárias com dados setoriais e conjunturais, atuação na luta para extinção ou diminuição dos impostos e na elaboração de leis, além de apoiar as necessidades das empresas associadas”, apontou Neto. Também enumerou as atribuições do sindicato: emissão do certificado de regularidade

sindical para licitações públicas e alvarás de funcionamento, participação na contratação e acompanhamento da pesquisa do MVA.

Ao final, o presidente do SICAP ressaltou a importância de ouvir as sugestões das empresas associadas e comentou sobre o momento atual de grandes transformações com os veículos elétricos, autônomos, flex, híbridos compartilhados, indústria 4.0 e coworking.

Renato Giannini, ex-presidente da ANDAP e do SICAP, disse sobre a situação do Brasil atual que clama por mudanças e mencionou que os oito anos de gestão foram desafiadores por suceder duas presidências com os experientes Mário Penhaveres e Frederico dos Ramos. “Mas com diretoria competente consegui aprender e superar a maioria dos obstáculos”, finalizou, deixando mensagem de otimismo.

Comentários