Motos e Serviços - Paulo José de Sousa - pjsou@uol.com.br

A importância de uma eficiente vedação no cabeçote do motor de uma motocicleta

Conheça os principais sintomas decorrentes de falhas na vedação, as causas mais frequentes, como evitá-las e procedimentos de diagnóstico

No motor, os termos vedação e compressão estão relacionados entre si, são expressos em números por meios das tabelas dos manuais para serem constatados nos diagnósticos através de aparelhos, a potência e o torque entregue à roda traseira da motocicleta são resultantes do trabalho do motor e dependem diretamente do desempenho da vedação.

Nesta matéria vamos analisar algumas das principais causas de falhas de vedação do motor, como exemplo utilizaremos o cabeçote da Honda CB 300 (foto 1), a peça estudada apresenta uma trinca na câmara de combustão, o problema é antigo e bem conhecido entre os reparadores, mas ainda ocorre com frequência nas oficinas,  normalmente não há relação com a quilometragem da motocicleta. Como fazer o diagnóstico?

Foto 1
SINTOMAS MAIS COMUNS DE FALHAS INTERNAS NO CABEÇOTE
Falta de potência no motor, dificuldade na partida, marcha lenta instável, são indicadores de falhas nas vedações internas do motor.

Para os profissionais das concessionárias e também das oficinas multimarcas os sintomas relatados podem ser confundidos e sugerir possíveis defeitos no sistema de injeção eletrônica, já que na Honda CB 300 a marcha lenta é controlada pelo atuador IACV ou “motor de passo”, conclusões antecipadas baseadas em suposições equivocadas fazem o mecânico responsabilizar ou até substituir desnecessariamente diversos componentes do sistema PGM-FI, que em princípio  não solucionam o defeito. Após o desmonta e monta do mecânico, na tentativa de reparo, o cliente insatisfeito irá perceber que sua motocicleta é uma cobaia de oficina.

É importante ter em mente que independente do sintoma reclamado é necessário que alguns itens sejam sempre verificados previamente, ex.: pressão, quantidade e qualidade do combustível, tensão (V) da bateria, filtro de ar, vela de ignição etc.

O caminho mais rápido e seguro para a detecção da(s) causa(s) dos sintomas reclamados acima é sempre efetuar o diagnóstico da pressão da compressão do motor, porém a análise não irá indicar que peça substituir, o orçamento e reparo só serão possíveis após a abertura e inspeção dos componentes internos do motor. 

Outros defeitos na parte superior do motor que apresentam sintomas semelhantes:

• Válvula com a borda queimada, desgastada ou quebrada;

• Válvula presa na guia;

• Folga insuficiente na regulagem da válvula;

• Sede de válvula trincada;

• Haste da válvula empenada;

• Falha de vedação na junta do cabeçote;

• Falhas no conjunto cilindro, pistão e anéis;

• Cilindro ou cabeçote empenado.

Como comentamos, em todos os defeitos relacionados acima o fator principal será a baixa compressão no motor, e por tabela irão ocorrer os diversos sintomas abaixo:

Marcha lenta instável, consumo alto de combustível, aumento nas emissões de gases de escapamento, dificuldade na partida, em alguns casos queima de óleo, motocicleta falha ou não funciona.  

Muita mão de obra será poupada se o caminho do diagnóstico for bem definido, os testes direcionam os passos a serem seguidos em cada etapa do trabalho, de regra a abertura do motor é o último recurso e só pode ser praticada após a avaliação de todas as hipóteses.

COMO EVITAR ALGUMAS FALHAS DE VEDAÇÃO NAS VÁLVULAS
Quanto ao problema da falha de vedação nas válvulas a causa provável está relacionada à falta de ajuste ou o ajuste incorreto das folgas, já que nos modelos pastilhados como na CB 300cc é necessário mudar a pastilha (calço)  (foto 2)  para corrigir uma folga que está abaixo ou acima do especificado.

Foto 2
Um hábito equivocado, mas que é comum entre alguns reparadores é o diagnóstico por meio do ruído da válvula conhecido como “diagnóstico de ouvido”, em outras palavras, se o conjunto não estiver batendo significa que está bom. 

O procedimento é impreciso, pois nos motores novos é comum nos primeiros quilômetros que a válvula assente (se acomode) em sua sede no cabeçote, em função da pressão de retorno e velocidade causados pelas molas, então em alguns casos as hastes poderão subir e reduzir as folgas com as pastilhas a ponto de ocasionar queima das bordas e falha na vedação em uma ou mais válvulas, consequência disso é a perda parcial de compressão afetando diretamente o desempenho do motor e também provocando os diversos sintomas já comentados.

Por isso, é necessário que nas revisões periódicas sejam sempre verificadas as folgas das válvulas e efetuados o ajustes se necessário de acordo com a especificação de cada fabricante.

Vale comentar que os casos de quebra da borda da válvula  (figura 3) podem estar relacionados às seguintes causas: excesso de pressão de retorno da válvula ocasionado por molas não especificadas ou válvula com a borda muito afinada pelo desgaste, que é resultado do tempo de uso da motocicleta, a pressão de retorno excessiva também pode provocar quebra da haste da válvula.

Figura 3
Há uma certeza no processo: qualquer motocicleta é sensível à falta de manutenção preventiva.

SELEÇÃO DE PASTILHAS
As pastilhas (calços) possuem precisão milesimal, e no manual de peças dos fabricantes há uma enorme variedade delas, por isso, fica complicado para o concessionário ou o lojista ter todo o jogo em seu estoque, são mais 60 peças com espessuras diferentes, elas variam em de 25 em 25 milésimos  iniciando na espessura de 1,200mm a 2,900mm. (foto 4)

Foto 4
A alternativa mais racional é solicitar o conjunto de peças em função da demanda, porém o tempo de espera pode não agradar o cliente e por isso há reparadores que optam por alterar a espessura (foto 5) da pastilha manualmente na tentativa de solucionar o problema, a prática não é recomendada, já que esmerilhar o calço pode  tirar toda a precisão de ajuste de folga que trabalha na caso do milésimo e há a possibilidade de alterar a dureza da peça, comprometendo a qualidade do trabalho. 

Foto 5
Para aqueles que vendem o serviço expresso que prometem a revisão dos primeiros 1000km em apenas uma hora, fica a pergunta se as válvulas foram aferidas com o motor em temperatura ambiente e ajustadas de acordo com a recomendação do fabricante? 

Na verificação das folgas de válvulas, se for constatado alguma medida fora do padrão é necessário calcular a nova pastilha (calço). A nova pastilha compensará a folga com uma espessura maior ou menor.

Para efeito de cálculo a espessura da pastilha já vem gravada na superfície da peça, para efetuar o cálculo é necessário que o conjunto esteja montado e parafusado de acordo com o aperto padrão.

CÁLCULO DA PASTILHA
Dica do Fabricante para Calcular  a Nova Pastilha – (Figura 6)

Foto 6
Fórmula

A = (B - C) + D

A = Pastilha nova (calço) 

B = Folga medida

C = Folga padrão ( verificar no manual do modelo)

D = Pastilha usada (espessura do calço antigo)  


DIAGNÓSTICO DA PRESSÃO DA COMPRESSÃO DO MOTOR
Para avaliar a condição interna do motor siga os seguintes passos:

Aqueça o motor até a temperatura normal de funcionamento.

Desligue o motor e remova a vela de ignição.

Instale o relógio medidor de compressão do cilindro.

Acelere completamente (abra o acelerador)  e acione o botão de partida várias vezes por no máximo 7 segundos cada tentativa, até que o ponteiro do medidor estabilize .

Se a compressão estiver acima da especificação do fabricante da motocicleta, isto indica carbonização excessiva na câmara de combustão e/ou no topo do pistão.

Se a compressão estiver baixa, coloque de 2 a 4 cc de óleo do motor (limpo) através do orifício da vela de ignição, movimente o motor para o óleo se espalhar internamente na câmara e verifique novamente o valor da compressão.

Se a compressão aumentar em relação ao valor anterior, analise o cilindro, pistão e anéis

Se a compressão não mudar, verifique a folga das válvulas  e se necessário veja se existem vazamentos de compressão no cabeçote ou nas válvulas, proceda a abertura do motor para a avaliação do problema.

Algumas soluções possíveis:

• Ajuste da folga de válvula por meio da troca de pastilha;

• Assentamento de válvulas;

• Troca de válvulas; 

• Substituição do cabeçote.

VERIFICAÇÃO DA VEDAÇÃO DAS VÁLVULAS (figura 7)
Foto 7
Após a avaliação e o reparo do conjunto, será necessário efetuar o assentamento das válvulas (esmerilhar com uma pasta abrasiva específica).A regra vale para as peças novas ou usadas. Verifique visualmente a vedação de cada válvula, e por fim monte o conjunto, confira as folgas de válvulas (figura 8) e  proceda a seleção (cálculo)de pastilhas.
Figura 8

comentários
Avaliar:

Comentários