Técnicas - José Martins Sanches

Oficina móvel para veículos fora de estrada - são brutos mas têm eletrônica e ar-condicionado

Os veículos que operam fora das estradas possuem tecnologias mais avançadas que as aplicadas nos carros de passeio e a climatização é necessária para a segurança e conforto do operador destas máquinas

Foto 1

O que são estes veículos? - São máquinas utilizadas na área agrícola, terraplenagem, construção civil, mineração, indústrias etc., tais como tratores agrícolas, colheitadeiras, pulverizadoras de defensivos agrícolas, tratores de esteiras, retroescavadeiras, escavadeiras hidráulicas, carregadeiras, motoniveladoras, rolos compactadores, empilhadeiras, caminhões fora de estrada, etc... Foto 1.

Atualmente estes veículos estão saindo equipados com ar-condicionado principalmente por conta das leis trabalhistas que cada vez mais exigem que os operadores destes equipamentos não fiquem em contato com os resíduos manipulados por eles, sem contar no conforto que proporciona a estes operadores que passam o dia operando estas máquinas. Foto 2.

Foto 2

Com o aumento da frota destas máquinas equipadas com ar-condicionado no mercado, está surgindo a necessidade de técnicos para manutenção dos mesmos e o sistema de ar-condicionado destes equipamentos é idêntico aos dos automóveis que consertamos em nossas oficinas, inclusive alguns são totalmente digitais como nos veículos, tanto que estes brutos têm muitos componentes em comuns a alguns veículos rodoviários principalmente alguns compressores, válvulas de expansão, conexões, termostatos, filtros secadores.

Mas o que realmente é tudo idêntico aos veículos rodoviários são os equipamentos e o conhecimento que necessitamos para a manutenção do ar-condicionado destes brutos fora de estrada.

A única diferença na manutenção nestes pesados é que eles não podem simplesmente ser levados a uma oficina especializada em ar-condicionado, pois eles não podem ir rodando normalmente como os automóveis, pick-ups e caminhões rodoviários. (Foto 3) Eles devem ser transportados em cima de caminhões e normalmente equipados com carretas-pranchas. Algumas colheitadeiras têm de ser parcialmente desmontadas para o transporte.

Foto 3

A solução é que uma oficina móvel vá até onde estes equipamentos estão e na maioria das vezes em campo onde os mesmos estão executando seus trabalhos ou seja na agricultura, dentro de uma mineradora, na construção de uma rodovia, numa construção civil, etc. Foto 4.

Foto 4

Esta oficina móvel teria que ser totalmente equipada com todos os equipamentos e ferramentas necessários para manutenção, assim como uma certa quantidade de peças para reparos de ar-condicionado destes pesados. Foto 5.

Foto 5

No caso de falta de equipamentos ou peças, o serviço não será concluído e os clientes precisam da máquina funcionando, pois normalmente estes brutos são remunerados por horas trabalhadas, ou donos de plantações precisando aproveitar tempo bom para colher sua plantação, para eles tempo perdido pode representar um prejuízo enorme! Foto 6.

Foto 6

A vantagem deste tipo de trabalho, além de ter pouca concorrência, é ser um trabalho diferenciado que permite cobrar mais se comparado à manutenção dos veículos:
• Cobrança de diagnóstico/orçamento;
• Quilometragem;
• Pedágios;
• Horas de deslocamento da oficina até o local da máquina;
• Horas trabalhadas no equipamento em manutenção;
• Peças.

Temos que entender que o custo é bem mais alto, pois os equipamentos e ferramentas contidos dentro de uma oficina móvel dariam para atender vários mecânicos dentro de uma oficina fixa e no entanto numa oficina móvel com todos estes equipamentos, na maioria das vezes passa o dia atendendo um só cliente.

Na grande maioria das vezes o profissional que está atendendo estes equipamentos vai a campo despreparado em termos de equipamentos e acaba fazendo carga de gás refrigerante sem fazer vácuo, sem balança para pesagem, sem cilindro de nitrogênio para testes e limpeza, sem equipamentos para  fazer flushing para limpeza do sistema, etc., e com isto encontramos sistemas totalmente avariados e com  clientes com um pé atrás,  desacreditados de bons serviços e quando ele observa o carro oficina todo preparado, isso supervaloriza o seu trabalho.

Abaixo daremos uma relação de equipamentos necessários para se ter nesta oficina móvel:
- Estação de carga e recolhimento e recicladora de gás refrigerante; (obs.*)
- Cilindro de nitrogênio com regulador de pressão;
- Jogo de conexões para teste de vazamentos e limpeza do sistema;
- Injetor de  141B para limpeza;
- Manifolds para teste de pressão e vazamentos;
- Detector de contraste ultravioleta de vazamentos;
- Medidor de temperatura infravermelho;
- Clipadeira hidráulica de conexões para mangueiras;
- Maçarico manual para solda em tubos;
- Multímetro digital, etc.;
- Caneta de polaridade (12/24 volts);
- Solda estanho para fios;
- Uma lavadora de alta pressão;
- Um pulverizador para aplicar produto para limpeza;
- Uma pequena morsa;
- Furadeira;
- Limas diversas;
- Ferramentas manuais diversas.

*Obs.-  No caso de usar uma estação de ar-condicionado ela tem que ser modificada porque durante o transporte pode danificar ou descalibrar a célula de carga que pesa o cilindro de fluido refrigerante, tem de fazer um sistema que retire e trave este cilindro afastado desta célula.

Há fabricante que já possui uma estação própria para isto, podendo ser transportada sem fazer qualquer modificação, pois ela foi feita para esta situação de ser usada em oficinas móveis.

A estação de carga poderá ser substituída por módulos, neste caso poderá acomodar em separados:
• Uma recolhedora;
• Uma bomba de vácuo;
• Uma balança eletrônica específica para carga de refrigerante;
• Um cilindro próprio para recolhimento;
• E uma estação de tratamento de gás refrigerante caso a recolhedora não tiver já incorporado nela (que tem por finalidade de filtrar, desumidificar e separar o óleo e nem todas as recolhedoras fazem isto).

No caso podem observar que uma das pick-ups tem uma estação modificada presa a ela (Foto 6) e a outra tem os equipamentos em módulos todos interligados um ao outro através da estação de tratamento presa a uma das portas traseiras dela, (Foto 4) podendo operar  sem problemas de jogar ou descartar pequenos resíduos de refrigerante na atmosfera, pois não ficamos desconectando mangueiras entre uma etapa e outra.

Tudo controlado nos registros desta miniestação de tratamento que fica conectado à recolhedora, a bomba de vácuo e ao cilindro com a balança, por isso indico o uso dela.

E todos estes equipamentos ficam debaixo desta pequena bancada, em que há uma pequena morsa em cima dela que auxilia muito no trabalho em campo.

Outro equipamento essencial que tem de ter, mas não precisa levar sempre dentro do carro oficina, é um pequeno gerador de luz ou um inversor de energia que seja compatível com os equipamentos que têm dentro desta oficina móvel, pois tem lugares que em campo não tem energia elétrica neste caso sempre perguntar ao cliente se tem um ponto de energia perto do equipamento caso não tenha tem de levar sua própria energia. (Inversor é um equipamento que transforma 12 volts de uma bateria automotiva em energia 110 ou 220volts alternada e neste caso é bom colocar uma bateria extra neste veículo mantendo ela ligada ao alternador para manter ela sempre carregada).

Sempre de preferência compre equipamentos 220volts, pois em campo de obras dificilmente vai achar 110 volts.

Tem que ter disponível neste veículo algumas peças mais comuns de darem defeitos, como orings de diversas medidas, mangueiras, correias, conexões para mangueiras, salva-mangueiras, filtros, válvulas de expansão, válvulas de serviços, relés, termostatos, chaves, material para instalação elétrica, ativador para limpeza de condensador e evaporadores etc.
Outra vantagem em relação aos veículos é que o sistema de ar-condicionado destas máquinas trabalha muito mais que dos veículos. Imagine que a grande maioria deles trabalha dia todo initerruptamente e algumas até mais de um turno, aumentando ainda mais o desgaste dos componentes do sistema de climatização.

Outro agravante nestas máquinas é que tem muita vibração que torna comum fazer reparos de mangueiras, tubos e conexões.
Por trabalhar em situações críticas de poeira é muito comum fazer a limpeza de evaporador e condensador sendo assim, gerando muito mais manutenção que em um ar-condicionado veicular, até mesmo os veículos pequenos que trabalham dentro das mineradoras têm mais problemas, principalmente por conta do pó em suspensão onde trabalham e algumas empresas têm produtos corrosivos. (Indústria que manipula alumínio é um exemplo clássico, chega a apodrecer tudo que é de alumínio principalmente)

Outro detalhe é que o técnico tem que atender:
• ASO – Atestado de Saúde Ocupacional em dia;
• Exames de Acuidade visual;
• Audiometria;
• Eletrocardiograma;
• Eletroencefalograma;
• Espirometria;
• Glicemia;
• Hemograma;
• Raio x do tórax.

Estes exames são válidos pelo período de um ano, pois na maioria das grandes  empresas exigem ao fazer integração para se poder trabalhar dentro delas, além de treinamentos como:
• NR35 (trabalho em altura, pois alguns equipamentos tem altura superior a 2 metros);
• NR 12(trabalhar com máquinas rotativas tipo furadeiras, esmeril, etc.);
• NR 18 (medidas de segurança - uso de EPIs);
• NR 10 (bloqueio de fontes de energia ou seja elétrica, pneumática, hidráulica, etc.);
• NR 34 (trabalho a quente).

Estas exigências são praticamente unânimes em mineradoras e empresas de grande porte.

Estes cursos são encontrados em diversas escolas da área de segurança só tem que tomar cuidado e exija que o técnico ou engenheiro que deu o curso tenha proficiência comprovada e exija o certificado dele, pois algumas empresas pode exigir isto não validando os certificados dos cursos que você fez.

comentários
Avaliar:

Comentários