Evento - Vinicius Montoia

Salão do Automóvel de São Paulo é marcado por SUVs e tecnologias sustentáveis

A 29ª edição do Salão Internacional mais importante da América Latina é repleto de novidades na categoria de Utilitários Esportivos Compactos e tecnologias verdes

CHEVROLET

Tracker - A Chevrolet apresentou os novos Cruze Sport6, Tracker e Camaro no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo 2016. “Ao todo foram 12 lançamentos ao longo do ano, uma quantidade realmente bastante expressiva e que mostra o quanto a marca Chevrolet acredita no potencial do mercado nacional”, conclui Marcos Munhoz, vice-presidente da General Motors do Brasil.

Novo Chevrolet Tracker 2017
O novo Tracker chega para ser o primeiro em seu segmento, o de SUVs compactos, com motor turbo e câmbio automático. De acordo com a marca, há mudanças mecânicas e de acabamento, além das visuais. O motor 1.4 turbo Flex vem acompanhado também de sistema Stop/Start e transmissão sequencial. Segundo a GM, vem de série: sistema multimídia MyLink com Android Auto e Apple CarPlay, o sistema OnStar, teto solar elétrico e os faróis e as lanternas com LEDs. A parte frontal do novo Tracker foi redesenhada, assim como a traseira e as rodas. O interior tem melhor acabamento no painel e bancos mais sofisticados, e o quadro de instrumentos tem algumas modificações, ficando mais parecido com o do Cruze.

Ele já está disponível em todas as concessionárias da marca desde o fim de novembro em duas versões de acabamento: LT e LTZ, sempre com motor turbo Flex de até 153 cv. “O segmento dos utilitários esportivos compactos é o que mais cresce no país, e o novo Tracker conta com diferenciais competitivos relevantes para continuar conquistando ainda mais consumidores e ajudar a reforçar a liderança da marca Chevrolet”, destaca Marcos Munhoz.

Cruze Sport6 - Também no estande da GM está o novíssimo Cruze Sport6, o hatch que carrega a mesma tecnologia presente no sedã: motor 1.4 turbo Flex de até 153 cv, comportamento mais esportivo, rodas de 17 polegadas, opção de teto solar elétrico, novos serviços do OnStar, direção com assistência elétrica e acerto customizado para a suspensão.

O carro ficou bastante elegante, como é possível ver na foto. Ele tem linhas contínuas na carroceria e a traseira mais curta o deixa ainda mais esportivo. De acordo com a GM, os para-choques são inspirados nos da versão “RS” norte-americana. Ele também traz os mesmos equipamentos de comodidade do irmão maior: sistema de estacionamento semiautomático e o assistente de permanência em faixa, que é capaz de detectar uma saída involuntária da pista e realizar automaticamente pequenas correções na trajetória do veículo.

A transmissão é automática de seis marchas. O carro tem o Diagnóstico Avançado, uma função que informa se há condições irregulares nos seguintes sistemas do carro: motor, transmissão, airbag, controles de tração, freios ABS, emissões, OnStar e pressão dos pneus. O Jornal Oficina Brasil conversou com exclusividade com André Nassao Nishimura, gerente de operações do OnStar Brasil, que nos contou que “o carro emite um código de falha, o módulo identifica e verifica a severidade.”

“A informação vai para o aplicativo e para o portal na web, para que assim o motorista possa tirar a dúvida e ser auxiliado pelo serviço de concierge”, destaca o gerente. De acordo com o especialista, atualmente ainda há estudos para que esse Diagnóstico Avançado chegue às oficinas independentes.

A novidade, que chega junto com o Cruze Sport6 logo após o Salão do Automóvel, será também estendida aos demais modelos Chevrolet 2017 equipados com OnStar, basta atualizar o OnStar App, segundo a montadora.

“Apesar de compartilharem o mesmo DNA, o sedã e o Sport6 são produtos complementares e de apelos distintos. Enquanto o sedã se destaca pelo maior espaço para bagagem, o hatch entrega mais esportividade”, explica Hermann Mahnke, diretor de marketing da Chevrolet.

Camaro - Já o Camaro chega à sexta geração e é um dos veículos mais vistos no estande da GM. O superesportivo de maior sucesso no Brasil até o momento ganhou potência, tecnologia e refinamento. Já não era sem tempo, pois o Camaro antigo tinha um acabamento parecido com o de veículos populares de entrada. O conjunto mecânico manteve um 6.2 V8 de injeção direta sob o capô, mas desta vez com 461 cv e 62,9 kgfm de torque e a transmissão é automática de 8 marchas com sistema Active Select, que permite trocas automáticas ou manuais por meio de aletas atrás do volante.

Novo Chevrolet Camaro 2017
“O novo Camaro foi completamente redesenhado e projetado para encantar tanto os fãs deste icônico modelo da Chevrolet quanto os consumidores que buscam um superesportivo altamente tecnológico e prazeroso de guiar”, explica Carlos Zarlenga, presidente da GM do Brasil. A configuração SS conversível também estará disponível no mercado brasileiro. A previsão é que ela estreie nas lojas no primeiro trimestre do ano que vem.

FORD

Mustang - A Ford anunciou que finalmente vai lançar o Mustang no Brasil. A expectativa é que as vendas comecem no último trimestre de 2017, mas as primeiras unidades só devem desembarcar por aqui no começo de 2018. A Ford Performance, nova divisão mundial da empresa, trouxe dois modelos para marcarem presença no Salão do Automóvel: o novo Ford GT com motor EcoBoost de 600 cv e a F-150 Raptor, além do Mustang Shelby GT350R com 553 cv e o Mustang GT conversível. “Vamos iniciar em breve a pré-venda do Mustang no Brasil, um dos carros mais esperados e admirados pelos brasileiros”, destacou Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul. “Assim como todas as inovações tecnológicas e de engenharia mostradas aqui no nosso estande, o Mustang é um grande exemplo da nossa paixão por carros e do que eles representam em termos de sonho e emoção para os consumidores”, finalizou o executivo.

Ford Mustang
“Temos aqui no Salão uma mostra da nossa linha completa de produtos, todos equipados com tecnologias inovadoras focadas no consumidor, começando com o Ka e Ka+ no segmento de entrada, passando pelo New Fiesta, EcoSport, Focus, Ranger e o Fusion e Edge no segmento de luxo”, disse Natan Vieira, vice-presidente de Marketing, Vendas e Serviços da Ford.

Outra versão que estará no mercado no próximo ano e que também esteve no estande da Ford foi a Ka Trail, versão especial de visual aventureiro que vai ampliar a gama do hatch. Ele vem com um kit de aparência que inclui rodas de liga leve de 15 polegadas, moldura de teto, capas dos retrovisores e maçanetas na cor cinza London Grey e molduras dos faróis de neblina diferentes, além de adesivos nas laterais e na traseira com grafismo em cinza e laranja. Internamente, traz bancos parcialmente com couro com costura contrastante em laranja e verde, pedal esportivo e soleira com logotipo Trail.

A suspensão ficou ligeiramente mais alta. “O Ka Trail é um carro de perfil jovem e aventureiro, com acessórios desenvolvidos especialmente pelo nosso time de Design para destacar a sua esportividade e robustez. Ele segue o conceito aplicado em outros modelos especiais da marca, para quem deseja um carro ao mesmo tempo original e diferenciado”, diz Fernando Pfeiffer, gerente de Produto da Ford.

VOLKSWAGEN

BUDD-e - Em um dos maiores estandes do Salão do Automóvel, a Volkswagen apresentou o BUDD-e, que é o primeiro modelo baseado numa nova matriz tecnológica da marca para veículos elétricos, a MEB. Segundo a montadora, o BUDD-e tem autonomia de até 533 quilômetros (em ciclo europeu) e suas baterias podem ser recarregadas em 80% de sua capacidade em apenas 30 minutos. A Volkswagen garante que essas características levarão à definitiva viabilização dos carros elétricos.

Volkswagen BUDD-e
O veículo está equipado com a próxima geração de infotainment, uma interface móvel entre o mundo a bordo e o universo exterior. Tudo é bastante intuitivo. Os espelhos retrovisores, por exemplo, são trocados por telas digitais. De acordo com a VW, essa arquitetura, a MEB (Kit Modular Elétrico), sinaliza uma mudança fundamental na motorização elétrica e para o automóvel no geral. Pelo fato de não ter de armazenar combustível, o carro pode receber um novo desenho. Isso significa que o design da carroceria e do interior irão mudar nos próximos carros-conceito da Volkswagen.

No BUDD-e a bateria tem capacidade energética de 92,4 kWh. A bateria é plana e ocupa pouco espaço, quase integrada em todo o assoalho do veículo. Ela alimenta dois motores elétricos, que movimentam os dois eixos do carro.

O motor elétrico dianteiro gera 100 kW (equivalente a 136 cv) e 20 kgfm, enquanto o traseiro desenvolve 125 kW (equivalente a 170 cv) e 19,6 kgfm de torque, resultando numa potência total mecânica do sistema de 225 kW (306 cv). O sistema de tração integral permite que o carro conceito atinja a velocidade máxima de 180 km/h.

A bateria utiliza carregador de 150 kW de corrente contínua e assim é possível carregar até 80% dela em até meia hora. O carro tem 4,59 metros de comprimento, 1,94 m de largura e 1,83 m de altura. A distância entre-eixos é de 3,15 metros, com balanços muito curtos (69,4 cm na frente e 75,2 cm atrás). Um novo sistema de direção traseiro resulta num pequeno diâmetro de giro de 11,5 m e melhora as respostas dinâmicas.

Os mostradores, na cabine, ficam localizados em um tablet que fica, segundo a VW, “flutuando” no espaço à frente do motorista. Todas as superfícies internas estão imersas em azul, prata e branco. Quando se abre a porta deslizante, do lado de fora, usando um gesto, entra-se num interior que mais parece uma sala. Os bancos do motorista e do passageiro da frente ficam sobre um piso de madeira. Se o passageiro da frente quiser conversar com seus amigos de trás, pode simplesmente rodar o seu banco para se voltar para trás. O assento é equipado com um cinto de segurança integral. Na traseria há carpete macio, juntamente com dois assentos convencionais. Os passageiros de trás também contam com um monitor de 34 polegadas, muitas vezes maior do que a televisão que você tem na sala da sua casa.

Golf GTE Sport - A Volkswagen está mostrando que vai mudar radicalmente a sua política e produção de automóveis: apresentou também nessa 29ª edição do Salão de São Paulo o novo Golf GTE Sport, um conceito de alta tecnologia que é feito em grande parte de carbono e movimentado por um conjunto de três motores, combinados em um sistema de propulsão híbrido com potência de 400 cv (295 kW).

Volkswagen Golf GTE Sport
O primeiro motor, a combustão, é um quatro-cilindros 1.6 TSI que produz 299 cv e 40,8 kgfm de torque. É uma versão do motor utilizado no Polo R WRC que disputa o Campeonato Mundial de Rali (WRC) e fica acomodado no compartimento à frente do carro. Esse motor é assistido por mais dois motores elétricos - um na dianteira, outro na traseira do Golf GTE SPort. O dianteiro fica integrado à carcaça do câmbio DSG de 6 marchas (DQ400E). Desenvolve 85 kW (115 cv) e tem torque máximo de 33,6 kgfm.

O segundo motor elétrico tem a mesma potência, porém o torque é de 27,5 kgfm. O torque total do carro é de 68,3 kgfm e a potência disponível é de 400 cv. No modo esportivo “GTE” todos os três motores trabalham juntos, possibilitando ao carro, que tem tração nas quatro rodas, ir até os 100 km/h em apenas 4,3 segundos, atingindo a velocidade máxima de 280 km/h. Nesse caso, o motor elétrico dianteiro - que está recebendo energia cinética do motor TSI - atua apenas como gerador de eletricidade para o motor do eixo de trás. Como a energia enviada para o eixo traseiro flui por meio de fios e não mecanicamente, o sistema é chamado de “cardã elétrico”.

T-Cross Breeze - Outro modelo que poderá aparecer antes do final dessa década nos mercados onde a Volkswagen atua é o T-Cross Breeze. Ele é equipado com motor 1.0 TSI e segundo a marca é para oferecer o máximo em prazer ao dirigir de forma sustentável, combinado aos sistemas start-stop e de recuperação de energia. Esse propulsor tem potência de 110 cv e desenvolve torque máximo de 17,8 kgfm a partir de apenas 1.500 rpm. A tração é dianteira, com câmbio DSG de 7 marchas e dupla embreagem.

Volkswagen T-Cross Breeze
O SUV conversível, que pesa 1.250 kg, precisa de 10,3 segundos para chegar aos 100 km/h e atinge velocidade máxima de 188 km/h. O consumo, segundo a montadora, é de 20 km/h.

O T-Cross Breeze traz um seletor de perfil da condução que “antevê” o terreno à frente. Essa função de assistência está intimamente ligada ao sistema de navegação, à câmera dianteira e vários outros sistemas do carro que permitem o registro de parâmetros como a topografia do caminho. Quando a função Auto do seletor de condução está acionada, os sistemas reagem automaticamente e podem mudar as características de funcionamento do motor, amortecedores ou da direção, dependendo da situação.

Por dentro também há bastante novidade: assim como nos calçados automotivos, partes dos bancos são conformadas e coloridas e tricotadas em 3D, criando as coberturas das superfícies internas dos apoios laterais numa única peça composta de vários materiais, tais como fibras híbridas especiais de poliamida que são extremamente resistentes à deformação, duráveis e resistentes à abrasão.

PEUGEOT

3008 - A Peugeot apresentou o seu novo 3008, SUV da marca, no Salão de São Paulo e garante que vai começar a comercialização do modelo já em 2017. Ele inaugura a nova geração do i-Cockpit, um estilo de painel que é exclusivo da marca.

Peugeot 3008 2017
Por dentro, o volante mais compacto foi redesenhado, com um aro que contém dois trechos planos que facilitam a pegada, um campo de visão desimpedido e mais espaço para as pernas do condutor. Há uma grande tela sensível ao toque de 8 polegadas que é como se fosse um tablet posicionado no centro do painel de instrumentos. Por ela é possível acessar as principais funções: rádio, climatização, navegação, telefone e aplicativos móveis.

De acordo com a marca, o painel de instrumentos elevado contém um bloco de mostradores digitais de alta resolução de 12,3 polegadas é dotado de um grafismo futurista. O painel do 3008 é totalmente configurável e o motorista pode colocar as informações que desejar.

A plataforma do 3008 é nova (EMP2) e as suspensões foram adaptadas a cada motorização, de modo que o comportamento na estrada esteja à altura da reputação da marca do Leão. Ele é equipado com o sistema Advanced Grip Control, e sua força motriz é reforçada da seguinte maneira: controle de tração otimizado com cinco modos de aderência (normal, neve, lama, areia e ESP desligado) acionados por um comando situado no console central; equipamento pneumático específico 18 polegadas; hill assist descent control (HADC), uma nova função para descidas que permite o controle do veículo e da sua trajetória em declives acentuados. Esse sistema pode manter o veículo em baixa velocidade (3 km/h), proporcionando controle e segurança em situações difíceis.

Outros sistemas que ajudam o motorista na condução do veículo são a frenagem automática de emergência e alerta de risco de colisão, alerta de atenção do condutor, comutação automática dos faróis altos/baixos, reconhecimento das placas de velocidade e recomendação, regulador de velocidade adaptativo com função Stop e sistema ativo de vigilância de ângulo morto, além de visiopark (visão 360°) e park assist.

O modelo poderá ser equipado com duas opções de motores e aqui no Brasil só deverão vir as opções a gasolina. São elas: 1.2 Pure Tech com câmbio manual de seis velocidades e 1.2 automático com câmbio automático de seis marchas. A outra opção é a 1.6 THP com câmbio automático de seis velocidades.

O veículo tem 4,45 metros de comprimento, um aumento de 8 cm no comprimento em relação ao 3008 anterior. Isso significa 2,67 m de entre-eixos, sendo 6,2 maior que o antigo. A largura é de 1,84 m e altura de 1,62 m (incluindo as barras de teto). Para bagagem o espaço é 591 litros. O carro ficou, segundo a marca, 100 kg mais leve graças à utilização de aços THLE e UHLE (Muito Alto Limite Elástico e Ultra Alto Limite Elástico), assoalho e tampa do porta-malas em termoplástico, para-lamas, braços de suspensão dianteira e estruturas dos assentos traseiros em alumínio e melhorias acústicas no motor, permitindo uma redução dos materiais de “insonorização”.

2008 Kyanit - Outra atração do estande da marca francesa foi o 2008 Kyanit, modelo com motor 1.6 THP de 173 cv de potência e 24,5 kgfm de torque. Inspirado no hedonismo coletivo, o conceito é focado no sentimento de estar em um veículo premium, com acabamento elegante da cabine e exterior com tinta experimental. O nome deste conceito foi escolhido com base no mineral “cianita”, uma pedra preciosa de cor azulada, e se diferencia pela mistura das tintas Azul Kyanit e Cinza Irregular.

A transição entre as duas cores acontece no nível das portas traseiras, suavizada pela colocação de um gráfico de transição em adesivo cromo escurecido, também irregular. As rodas são de 18 polegadas Lithium com acabamento preto acetinado e toque azul. O capô é desenhado com entradas de ar inspiradas do conceito Quartz.

Segundo a marca do Leão, o projeto levou um ano para ficar pronto. Há luzes em LED aplicadas na cabine e revestimentos especiais, elevando o nível do acabamento.

Em conversa exclusiva com o Jornal Oficina Brasil, Dercyde Gomes, diretor de pós-vendas da Peugeot, contou como pretende fidelizar o reparador independente e os clientes Peugeot. 

“O reparador independente é um ótimo cliente. Quando falamos de vendas externas, podemos comercializar com o consumidor final, seguradoras e autopeças. Mas o nosso maior cliente é o reparador independente. Ele é estratégico para nós”, afirma Gomes. Devido à crise econômica que o país vive, o parque circulante ficou mais antigo e necessita de mais manutenção. Segundo Dercyde, o proprietário que detém um veículo com mais de três anos de uso procura um reparador independente para consertar o seu carro. “Se nós não tratarmos o reparador independente como um cliente estratégico, estaremos perdendo mercado. Por isso o nosso foco total também no aftermarket, com parceria, inclusive, com o Sindirepa”, contou o diretor de pós-vendas da Peugeot.

Por conta disso, a marca sempre divulga boletins técnicos sobre os seus veículos para o público das oficinas: “há um site, Peugeot Service Box, no qual o reparador consegue fazer pedidos de peças on-line. Sabemos, por outro lado, que esse profissional ainda não está muito ‘digitalizado’. Apesar de ter acesso às informações na internet, normalmente o reparador independente acessa outros canais, como próprio Sindirepa, para conseguir informações. O telefone e o contato pessoal ainda são muito importantes para ele. Mas nós investimos no on-line, pois a nova geração de reparadores também demanda esse tipo de facilidade. O que há de novidade para 2017 é uma intensificação na parceria com o Sindirepa e o reparador independente está no TOP 3 das nossas prioridades no pós-vendas”, ressaltou Gomes.

Assim como pudemos ver em outras edições do Jornal Oficina Brasil, o Grupo PSA está investindo em treinamentos em suas concessionárias: “os concessionários convidam os reparadores independentes da sua região para uma palestra técnica, com coquetel, para entender o perfil desses clientes. O relacionamento é mais importante do que o preço”, comenta o diretor.

Em relação aos clientes finais, Dercyde Gomes garante que está trabalhando para fidelizá-los à marca: “a Peugeot tem três pilares muito importantes para 2017. Dentre eles está a fidelização do nosso cliente nas nossas oficinas. O Peugeot Total Care reúne compromissos que a marca assume com os nossos clientes. Dentre eles é o tratamento desse consumidor que tem um Peugeot, com a disponibilidade de mais de mil carros reservas na rede de concessionárias. O cliente que comprou um Peugeot tem a garantia que, se precisar deixar o carro mais tempo na oficina, ele vai ter um veículo para que ele possa usar no seu dia a dia. Pois se ele comprou um Peugeot significa que ele quer andar de Peugeot! Muitas vezes o carro não é só um meio de locomoção, mas uma ferramenta de trabalho. E nós entendemos isso, o que nos permite oferecer esse serviço sem burocracia”, garantiu Gomes.

“Outro compromisso é a nossa assistência gratuita 24 horas. Essa assistência nós oferecemos até para os carros que já passaram do período de garantia. Ela serve para veículos de até oito anos, começando com os clientes que compraram carro em 2009. Pode ser atendido qualquer caso de pane ou colisão, independentemente se o veículo fez ou não as revisões. E o custo é zero para o dono do carro. A abrangência é para todo o Brasil”, declarou Dercyde Gomes.

MITSUBISHI

ASX - A versão 2017 do Mitsubishi ASX foi um dos destaques da marca no Salão do Automóvel de São Paulo. O novo para-choque ganhou um desenho com detalhes cromados, que invadem os faróis, dando um pouco mais de personalidade e cara de mau ao SUV. Há agora nova opção de interior bege. A cabine já tem sistema multimídia, controles de áudio e piloto automático no volante, nove airbags, além de controle de tração e estabilidade. Os bancos são revestidos de couro com aquecimento nos dianteiros e regulagem automática no motorista. Há também a possibilidade de um teto solar panorâmico chamado Sky View.

Mitsubishi ASX 2017
A versão com tração nas quatro rodas (AWD) já conta com sensor de estacionamento, sensor de chuva e acendimento automático dos faróis, botão Start&Stop (quer permite o acionamento do motor), sistema keyless com sensor de aproximação e espelho retrovisor externo retrátil, que é acionado automaticamente quando o veículo é fechado e faróis de xênon com regulagem automática e lavador.

O computador de bordo do veículo apresenta 12 funções. O entre-eixos do modelo é de 2,67 metros e, segundo a marca, ele tem um baixo coeficiente de arrasto: 0,33 Cx.

O motor é um 2.0 de quatro cilindros e 16 válvulas, com comando variável MIVEC, e 160 cv de potência. Este motor está disponível em todas as versões. Seu motor o cabeçote e o bloco são feitos de alumínio ultraleve. A transmissão é a velha conhecida CVT (Transmissão de Variação Contínua), com sistema sequencial Sports Mode, e aletas atrás do volante para trocas de marchas.

L200 Triton Sport - Outra novidade no Salão da marca japonesa foi a All New L200 Triton Sport, modelo produzido na fábrica da Mitsubishi Motors em Catalão (GO) e está disponível em três versões: L200 Triton Sport HPE Top, HPE e GLS, todas com um novo visual.

A quinta geração da picape foi concebida sob o conceito Ultimate Sport Utility Truck, com estilo dinâmico, esportividade e prazer ao dirigir. Segundo a marca, ainda há conforto, silêncio e sofisticação similares a um veículo de passeio.

O modelo tem motor 2.4 turbo diesel, em alumínio, com 190 cv e 43,9 kgfm de torque. Com isso a redução de peso foi de 30 quilos. O câmbio automático de cinco velocidades e o sistema de tração é o Super Select II: 4x2, 4x4 e 4x4 com bloqueio do diferencial central e 4x4 reduzida. As trocas podem ser feitas facilmente através do seletor no console central.

PX-33 - Outro modelo que encantou os visitantes do estande da Mitsubishi foi o pioneiro PX-33, uma do primeiros automóveis com tração 4x4. Fabricado como protótipo pela Mitsubishi Heavy Industries em 1935, o PX-33 foi o primeiro automóvel de passeio no Japão a ter tração nas quatro rodas. Em uma época em que esse tipo de tração só era usado em veículos pesados e de carga, o modelo de quatro portas da marca dos três diamantes trazia luxo, conforto e resistência para transportar membros do governo japonês em zonas de guerra e de difícil acesso.

O motor é diesel 6.7 de 70 cv. O carro tem 4,42 metros de comprimento, 1,67 m de largura e 1,71 m de altura.

RENAULT

A Renault apresentou três novos SUVs no Salão do Automóvel. O Captur já começa a ter pré-venda a partir do Salão e as vendas começam em fevereiro de 2017. “Os três novos SUVs são fundamentais na nossa estratégia de continuidade de crescimento da Renault no Brasil. O novo design mundial da marca, aliado à conectividade para facilitar o dia a dia dos clientes, foram as prioridades no desenvolvimento destes produtos”, afirma Fabrice Cambolive, presidente da Renault do Brasil.

Captur - O veículo produzido no Paraná e desenvolvido pela Renault Tecnologia Américas será posicionado acima do Duster, e terá uma versão com o motor 1.6 SCe com câmbio manual e outras duas com câmbio CVT X-Tronic. A opção mais cara será com motor 2.0 e câmbio automático, para, segundo a marca, os consumidores que desejam mais desempenho.

O design do veículo tem linha de cintura elevada, com vincos nas portas e capô. A pintura “biton” possibilita ter o teto em uma cor diferente do restante do veículo. O Captur trará de série controles eletrônicos de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, chave cartão “hands free”, retrovisores elétricos rebatíveis e quatro airbags.

Desde o dia 9 de novembro está no ar um hot site do veículo. A versão escolhida para a pré-venda, que começou no dia 11 do mesmo mês, é a topo de linha Intense, com motor 2.0 e câmbio automático, com opção de bancos de couro e pintura de duas cores.

Koleos - Recém-apresentado no Salão de Paris, a Renault trouxe para o Brasil o Koleos, o maior e mais caro SUV de seu portfólio. Segundo a marca, o Koleos mescla as características de SUV à sofisticação de grandes sedãs, como você pode conferir na foto. O SUV é equipado com o motor 2.5 de 16 válvulas, com quatro cilindros e duplo comando de válvulas, que entrega uma potência máxima de 182 cv a 6.000 rpm, com torque máximo de 23,7 kgfm a 4.000 rpm. De acordo com a marca, o desenvolvimento do propulsor priorizou a redução de atrito, aumentando, assim, a performance e otimizando o consumo de combustível. Com 90% do torque máximo disponível a partir de 1.800 rpm, o motor é ágil em rotações baixas e médias. O veículo faz de 0 a 100 km/h em menos de 10 segundos, mas a marca não divulgou um número exato.

Renault Koleos
O Koleos traz a tecnologia 4x4i, que deixa mais fácil a troca entre os modos 4x2, 4x4 Auto e 4x4 Lock. A lista de equipamentos de série inclui seis airbags, alerta de ponto cego, sistema de estacionamento automático, multimídia com tela de 8,7 polegadas, 13 auto-falantes Bose Premium, teto solar panorâmico e painel customizável.

Kwid - O SUV de entrada da Renault será o Kwid. Ele utiliza a nova plataforma mundial da aliança Renault-Nissan, conhecida como CMF-A, com cerca de 80% do seu conteúdo composto por peças novas, desenvolvidas pela Renault Tecnologia Américas para atender às necessidades dos mercados brasileiro e latino-americano. Ele já vem de série com quatro airbags.

Um conceito presente no Salão foi o Kwid Outsider Concept, um exercício de cores e materiais, que destacam a posição de dirigir, a robustez e versatilidade do SUV compacto.

CITROËN

A marca francesa não tinha muitas novidades para apresentar no Salão. Apesar disso, alguns carros-conceito chamaram a atenção.

C3 City Rider - Este C3 tem um “espírito urbano e alegre”, segundo a marca. O hatch agrega personalidade esportiva e traz proteções tipo Airbump, especialmente criadas para trazer mais identidade e praticidade ao hatch, protegendo a carroceria dos pequenos choques urbanos. Este conceito utiliza como base o C3 1.2 Tendance PureTech com navegação.

Citroën Aircross Beachrosser
Para ressaltar a cor Blanc Nacré (um branco perolizado), o C3 City Rider é revestido de tecido Alcântara Chiné na cor Vermelho Magma diretamente aplicado na carroceria: teto, friso da tampa do porta-malas e nas capas dos retrovisores. Isso também se reflete no interior do veículo. A cor vermelha é aplicada em diversos detalhes e com diversas texturas. O time de criação concebeu também uma pintura única de tons de branco perolizado até o vermelho anodizado.

Para tornar o visual do carro mais esportivo, foram escolhidas rodas de aro de 17 polegadas, diamantadas e pintadas de vermelho anodizado. Mais robusto, o C3 City Rider recebeu um conjunto de alargadores de passagens de rodas e rocker. Também traz faróis e lanternas protótipos, com máscara negra e design diferente.

Aircross Beachrosser - Pensando no estilo de vida e ritmos de aventureiros e descolados, a Citroën apresentou no Salão o conceito Beachrosser do Aircross. O time de Estilo do Grupo PSA – Peugeot Citroën América Latina reforçou tais atributos para dar vida ao veículo, Este conceito tem como base o Aircross 1.6 Live BVA.

O carro se destaca pela suspensão mais elevada e pela aplicação de pneus para uso em lama nas rodas Tuco de 16 polegadas. Para reforçar o aspecto diferenciado, foi aplicado um tratamento bicolor. A parte principal da carroceria foi pintada com uma tinta criada pelos designers do estilo de cores e materiais: branco perolizado com leve efeito camaleão, deixando reflexos azulados na carroceria. A pintura combina com o teto e com detalhes pintados em Azul Havaí.

Um conjunto de peças adicionais foi criado pelo time de Estilo para acompanhar os donos em suas aventuras: proteções laterais de tipo Airbump, grade frontal mais expressiva, prancha de surfe customizada nas mesmas cores que o veículo e dois drones que podem acompanhar o carro e gravar suas aventuras.

O interior oferece revestimento Alcântara Chiné nos bancos cinzas com neoprene Azul Havaí, com o desenho Citroën “gelule” nas partes centrais. Os comandos de direção, parte do volante e a alavanca de câmbio foram revestidos de Alcântara azul, combinando com o restante do visual do Aircross.

C4 Lounge Sportmarine - A inspiração no mundo dos veleiros e iates fez com que a marca francesa criasse o Sportmarine, um segmento reservado e cheio de exclusividades. A versão base desse veículo conceito é o C4 Lounge Exclusive com motor 1.6 THP BVA Pack Techno.

O interior é bicolor, aplicando as cores azul marinho e cinza claro. Os materiais utilizados são couro natural de alta qualidade (aplicado no bancos) e Alcântara. Nas partes centrais, está aplicado um bordado criado pela marca, costurado à mão com corda marítima na mesma cor que a do couro. Para reforçar a ideia de deck de navio, o time de criação concebeu um conjunto de tapetes feito de madeira clara, idêntica àquela que se encontra nos iates.

O veículo recebeu um envelopamento completo na parte externa com filme adesivo criado para ele, na mesma cor, mas com acabamento acetinado. As rodas de 19 polegadas receberam acabamento diamantado e pintura brilhante. Um último esmero foi a escolha de alguns cristais da Swarovski desenhados pela designer Celine Cousteau, que se parecem com conchas, para criar um pingente inédito montado no retrovisor interno do C4 Lounge Sportmarine.

SUVs

Hyundai Creta - O Hyundai Creta foi um dos principais destaques do Salão do Automóvel de São Paulo de 2016. Ele, que deve chegar já no primeiro trimestre de 2017, é o SUV compacto da marca coreana que veio para combater o Honda HR-V e o Jeep Renegade. Ele já está sendo fabricado na fábrica da marca em Piracicaba (SP) e quer ser a mescla para o uso urbano e fora de estrada.

Hyundai Creta
A exemplo do HB20, a marca garante que o Creta atenderá aos gostos do consumidor brasileiro e seu nome é inspirado na maior ilha da Grécia, situada no Mar Mediterrâneo. Os veículos expostos no Salão do Automóvel de São Paulo mostraram faróis com projetores e luz diurna DRL de LED, faróis de neblina com formato horizontal, lanternas Clear Type e lanternas indicadoras de direção nos retrovisores. Apresentaram também maçanetas externas cromadas, retrovisores externos na cor da carroceria, barras de teto longitudinais na cor preta, molduras plásticas de proteção na carroceria e limpadores de para-brisa tipo flat blade. O visual externo também traz as rodas de liga leve diamantadas de 17 polegadas e a moldura cromada na tampa do porta-malas.

Na cabine ele é bastante parecido com os outros modelos da marca, com tudo no seu devido lugar e com aquele design característico da marca nas saídas de ar e contornos de painel. O painel de instrumentos permite configurar diversas funções do carro, além de ser diferenciado, com iluminação acesa a todo o tempo, independente dos faróis.

Sobre os equipamentos, o Hyundai pode ser equipado com banco do motorista com ventilação, saída de ar para os ocupantes dos bancos traseiros, partida do motor por botão, chave presencial com telecomando, piloto automático com controles no volante, acendimento automático dos faróis, ar-condicionado automático digital, câmera e sensor de estacionamento e computador de bordo com configurador de funções.

De série há sistema de parada e partida em rampa, direção elétrica progressiva, travas elétricas, retrovisor externo com luz indicadora de direção, volante com regulagem de altura e profundidade e banco do motorista com regulagem de altura. Há ainda seis airbags (dois frontais, dois laterais de tórax e dois de cortina) nos veículos do Salão, controle de estabilidade (ESP) e tração (TCS), faróis direcionais, sinalização de frenagem de emergência, monitoramento de pressão dos pneus e fixação ISOFIX.

Não se confunda: apesar de compartilharem a mesma linha de produção, Hyundai HB20 e Creta não compartilham da mesma plataforma. Enquanto o hatch tem a mesma plataforma do i20, o SUV é baseado na estrutura do sedã Elantra. O Creta tem 4,27 metros de comprimento, 1,78 m de largura, 1,63 m de altura e 2,59 m de distância entre-eixos.

Os motores têm bloco de alumínio, são flex com sistema de partida a frio sem tanque adicional de gasolina e utilizam duplo comando variável de válvulas (D-CVVT) para admissão e escape. O utilitário esportivo compacto pode ser equipado com o Gamma 1.6 16V DOHC C-VVT de 130 cv (E) a 6.300 rpm e 16,5 kgfm de torque (E) a 4.850 rpm ou com o 2.0 16V DOHC C-VVT com 166 (E) cv de potência a 20,5 kgfm (E) a 4.700 rpm.

A transmissão, quando o motor 2.0 é a escolha, é uma automática de seis velocidades. Já os 1.6 podem optar por um câmbio manual ou automático, ambos também de seis marchas.

Honda WR-V - Outra grande novidade mundial apresentada no Salão de São Paulo foi o novo SUV subcompacto da Honda, o WR-V. Ele é menor que HR-V e CR-V e será o utilitário esportivo de entrada da marca. Ainda não foram apresentados preços, motores e versões, mas já deu para perceber que muitas montadoras estão investindo nesse segmento. Além do WR-V, outra prova disso é o Renault Kwid.

Honda WR-V
Na frente do WR-V dá para ver as características compactas, com um desenho mais horizontal na traseira. Ele tem vincos e desenhos de portas muito parecidos com os do harch Fit, mas ganhou faróis e lanternas exclusivas. Os faróis têm luzes de uso diurno em LED. As lanternas invadem a tampa do porta-malas e prolongam a linha de cintura do modelo. O modelo será comercializado no Brasil no primeiro semestre de 2017 e, segundo a marca, também em outros países da América do Sul em futuro breve. O nome WR-V significa: Winsome Runabout Vehicle. “Winsome” significa alegre, agradável e atraente em inglês e Runabout quer dizer “carro pequeno.”

Renegade - A Jeep apresentou outra versão do Renegade na linha 2017 do SUV. Os pacotes com motorização 1.8 receberam algumas melhorias no propulsor, chegando a economizar 10% a mais e render mais 7 cavalinhos, chegando a 139 cv a 5.750 rpm. O torque máximo é de 19,3 kgfm a 3.750 rpm. As melhorias são: coletor de admissão variável (VIS), partida a frio sem tanque auxiliar, sistema Start&Stop, monitoramento da pressão dos pneus, indicador da troca de marchas no quadro de instrumentos, pneus verdes, alternador inteligente e óleos de baixo atrito para motor e transmissão.

Jeep Renegade Limited 2017
A versão Limited é a nova topo de gama do modelo, com motor 1.8 e tem algumas diferenças visuais, como a pintura prata na grade dianteira, capas dos retrovisores externos e barras de teto. O teto é sempre pintado de preto, e as rodas de 18 polegadas têm pintura exclusiva. Entre os equipamentos a mais que a versão Longitude 1.8 possui estão os bancos de couro, chave de presença, tela de TFT de 7 polegadas e configurável no quadro de instrumentos, faróis de xenônio, sensores de faróis e de chuva, rebatimento elétrico dos retrovisores e espelho interno eletrocrômico. O preço dessa versão é de R$ 97.990 e R$ 104.790 para a unidade com teto solar panorâmico Command View.

Toyota C-HR - Outro SUV compacto de marca japonesa foi o Toyota C-HR, mas com tempo de maturação ainda distante, sem data para lançamento nem de venda no Brasil. Esse crossover compacto lidera uma inédita direção de design da Toyota, que sempre foi um tanto conservadora. O C-HR faz uso da nova plataforma global da marca, a TNGA (Toyota New Global Architecture), que proporciona maior rigidez do chassi.

Toyota C-HR
Nissan Kicks
- E por falar em versões de SUVs que já estão no mercado, a Nissan lançou no Salão mais uma versão do Kicks, chamada SV Limited, intermediária. Ela já está nas concessionárias desde o final de novembro. Ele conta com tela TFT de 12 polegadas no painel com informações como computador de bordo e sistema de áudio, controles de tração e estabilidade, auxílio de partida em rampa, sensor de ré, direção elétrica com ajustes de altura e profundidade, ar-condicionado e navegação integrada com o sistema multimídia. “O Kicks SV Limited vai ajudar a manter o sucesso da estreia, pois traz um nível de equipamentos de série elevado. Com eles, mais brasileiros terão a oportunidade de comprar um dos SUVs mais bonitos, modernos e completos do mercado”, afirmou François Dossa, presidente da Nissan do Brasil.

Nissan Kicks
E por falar em Nissan, a nova Frontier 2017, que chega a sua 12ª geração, começará a ser vendida no primeiro trimestre do ano que vem. A versão apresentada foi a de cabine dupla com tração 4x4, equipada com o novo motor diesel 2.3 com duplo turbo, de 190 cv de potência. São 45,8 kgfm de torque e a transmissão é uma automática de sete velocidades, que tem modo manual que permite selecionar e segurar a marcha correta para a necessidade de uma força extra ou para subir uma elevação mais acentuada.

A Frontier 2017 tem estrutura mais resistente, com um chassi reforçado. Com oito barras transversais, o chassi conta com um outro sobreposto por dentro com soldas contínuas, solução chamada de duplo “C”.

A nova grade tem o “V Motion” e os faróis com formato de bumerangue, que deixam evidente o visual robusto, segundo a marca. O modelo tem 5,25 metros de comprimento, 1,75 m de altura e 1,85 m de altura.

Segundo a Nissan, a nova Frontier traz equipamentos inéditos para a picape: controle automático de descidas (HDC), sistema de auxílio de partida em rampa (HSA – ambos atuam automaticamente nos freios do veículo para controlar o carro sem sustos em descidas íngremes e saídas da imobilidade em subidas). Além disso há limitador de carga, sensor de estacionamento e outros itens.

Audi h-tron - Um modelo sustentável apresentado pela marca alemã Audi foi o novo h-tron. O carro combina tecnologias de célula de combustível e bateria, ou seja, é um híbrido carregável em tomada (plug-in), que possui motores de combustão interna e células de combustível. O protótipo tem grande familiaridade com o e-tron quatro, um SUV puramente elétrico mostrado pela primeira vez no Salão de Frankfurt de 2015. Ambos são baseados na plataforma modular longitudinal de segunda geração MLB evo.

Audi h-tron
O h-tron apresenta a quinta geração das células de combustível da Audi. Com uma relação de eficiência superior aos 60%, a célula de combustível atualmente supera qualquer motor a combustão interna. A “pilha” compreendendo 330 células individuais fica alojada na estrutura frontal.

Já os três reservatórios de hidrogênio se localizam abaixo do compartimento de passageiros ou sob o porta-malas. Com uma pressão de trabalho de 700 bar, esses reservatórios têm capacidade suficiente para armazenar hidrogênio para uma autonomia de até 600 quilômetros. As células de combustível desenvolvem até 150 cv de potência e a bateria, de íons de lítio, pesa 60 kg. Essa bateria fornece até 136 cv e durante as frenagens ela acumula a energia recuperada. Com um torque sistêmico de 56 kgfm de torque, o Audi h-tron quatro acelera de 0 a 100 km/h em menos de sete segundos, de acordo com a montadora. Ele também atinge a velocidade máxima de 200 km/h.

BMW X2 - Outro modelo Premium apresentado no Salão foi o BMW Concept X2, sendo a primeira vez que esse conceito é visto nas Américas. “Estamos muito orgulhosos em mostrar o BMW Concept X2 neste Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, e com tão pouco tempo desde a sua avant-première no Salão de Paris, semanas atrás. Isto demonstra, mais uma vez, a importância do Brasil para o BMW Group, como mercado estratégico”, afirma Helder Boavida, presidente e CEO do BMW Group Brasil.

BMW X2
Segundo a marca, o X2 é um conceito compacto de apelo esportivo e urbano, mas que também buscou inspiração nos cupês históricos da marca, sem deixar de ser um SAV (Sport Activity Vehicle), como a marca gosta de chamar os seus utilitários esportivos.

Ainda não há preços, motorizações ou mercados definidos. Mas deu para ver o que o Brasil pode esperar dos próximos veículos da marca.

Chery Tiggo 2 - Já a Chery apresentou a segunda geração do Tiggo, que será o terceiro modelo a ser produzido na unidade industrial em Jacareí, com previsão de lançamento no 1º semestre de 2017. De acordo com a marca, sua suspensão foi especificamente projetada para um SUV urbano. O Tiggo 2 terá motor 1.5 VVT associado ao câmbio manual de cinco marchas, com o novo sistema ECSS (Electronic Cold Start System) de galeria de combustível aquecida, que reduz os níveis de etanol não queimado no ciclo de emissões, melhorando também o consumo. A marca garante que já estão em desenvolvimento as versões com câmbio automático.

Entre os equipamentos o Tiggo 2 dispõe de airbags laterais e frontais, freios ABS com EBD, controle de estabilidade (ESP), direção hidráulica, ar-condicionado, trio elétrico, teto solar, multimídia com conectividade, rodas de liga leve diamantadas e sensor de estacionamento.

comentários
Avaliar:

Comentários