Loja do Mecânico 960x90


Motos e Serviços - Paulo José de Sousa

Parte 2 – Sistema de carga da bateria: problema elétrico, a culpa é sempre da bateria?

Saiba como identificar a causa e avaliar as condições do sistema que é responsável em carregar e manter carregada a bateria e verificar possíveis fugas de corrente

Na edição anterior abordamos  alguns problemas que podem ser  comuns nas motocicletas mais antigas e rodadas, também demos inicio a primeira  parte do diagnóstico  apresentando dicas e soluções.

Nessa segunda parte vamos estudar o alternador no sistema monofásico e também  e o regulador/retificador que fazem  parte do conjunto que é responsável em carregar e manter carregada a bateria da motocicleta.

Tenha sempre em mente que solucionar problemas não é necessariamente  apenas trocar a peça defeituosa , para o serviço bem feito é importante que o reparador não analise uma peça isoladamente e importante sempre pensar no conjunto pois para todo defeito existirá um sintoma que pode induzi-lo a uma substituição  sem necessariamente ter sido eliminada a causa e isso faz com que o defeito volte a ser apresentado  posteriormente podendo até comprometer outros componentes a segurança do usuário gerando assim a insatisfação do cliente.

PRINCÍPIO DE GERAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA
Toda energia elétrica da motocicleta é gerada no alternador em forma de corrente alternada (AC). Neste modelo, a intensidade da corrente muda regularmente de direção de fluxo e também a polaridade da corrente elétrica  varia cerca de 60 vezes por segundo em função da alteração de polaridade dos imãs que giram ao seu redor  é o que chamamos de frequência.

Desvantagens: a corrente alternada não pode ser armazenada e não produz torque suficiente para dar partida em um motor de arranque por isso a necessidade da conversão de alternada (AC) em contínua (DC) para poder ser armazenada na bateria e posteriormente dar partida no motor.

O alternador na grande maioria das motocicletas está localizado na tampa esquerda do motor e o seu conjunto é formado por rotor e bobinas que transformam a energia mecânica através da rotação do motor em energia elétrica de tensão alternada.

COMPONENTES DO SISTEMA ALTERNADOR
O conjunto alternador é a usina da motocicleta aqui é gerada toda a energia elétrica que é consumida, ele é composto de rotor e bobinas

O rotor é um volante composto de imãs e está montado no virabrequim e trabalha na rotação real do motor e o estator é um conjunto de bobinas associadas que podem ser fixadas na carcaça esquerda do motor ou  na tampa de mesmo lado.

A energia elétrica alternada só é gerada quando há rotação no motor, nesse momento ocorre a indução eletro magnética pois o campo magnético em contato com as bobinas  provoca a indução. Este fenômeno é o mesmo que ocorre nas bobinas responsáveis pela iluminação do farol e da lanterna (AC) das motocicletas mais simples onde o sistema de iluminação depende da rotação do motor para funcionar.

O pesado volante também tem um papel fundamental na absorção de parte das vibrações geradas no motor em baixas rotações a massa do mesmo atua como contrapeso no virabrequim e também colabora para manter o torque do motor.

OS IMÃS DO VOLANTE (ROTOR)
O tipo mais comum que é adotado na maioria das motocicletas é o rotor composto de uma espécie de polia de aço e uma série de imãs permanentes parafusados ou colados em sua parte interna no sentido radial as bobinas.

E a característica principal é que durante o movimento de rotação do rotor os imãs girem em torno das bobinas.

Tenha cuidado ao manuseá-lo, pois se houver algum choque no volante magnético um ou mais imãs podem partir-se e surgirão novos pólos norte e sul ocasionando alterações  que provocarão falhas que podem impedir o funcionamento do motor.

ESTATOR (BOBINAS)
É utilizado em motocicletas de pequeno porte, essa configuração adota basicamente uma bobina de carga, sendo que a geração de corrente elétrica proporciona somente uma fase e a frequência de saída é proporcional a  quantidade de imãs no volante magnético.

A característica básica para o sistema monofásico é a simplicidade na construção e a baixa tensão de saída que proporciona pouca potência de carga para a bateria.

O sistema monofásico requer apenas um simples regulador retificador para alimentar a bateria, normalmente não há sobra de carga que permita a adaptação de uma bateria de maior porte.

REGULADOR RETIFICADOR
Regula a tensão alternada proveniente do alternador de maneira que a mesma permaneça na faixa adequada de trabalho da motocicleta e transforma a tensão alternada (AC) em tensão continua (DC).

Os componentes geralmente são envolvidos em carcaça de alumínio que por sua vez possuem aletas para dissipar o calor.

Internamente possuem circuitos impresso equipados com semicondutores (condutores que só atuam em uma direção).

RETIFICAÇÃO DE MEIA-ONDA MONOFÁSICA
Como mencionamos anteriormente a energia produzida no alternador não pode ser armazenada na bateria ela deve ser transformada em tensão continua e só assim é que a bateria será carregada.

No circuito há somente um semicondutor conhecido como diodo retificador que deixa a corrente passar apenas em um sentido e a corrente que tende a ser inversa é descartada por isso é dado o nome de retificador de meia onda.

PRINCIPAIS CAUSAS DE PROBLEMAS NO SISTEMA
Conexões do estator e regulador/retificador defeituosas, oxidadas ou contaminadas por água

Cabos danificados, ressecados ou   prensados na carcaça do motor.

Superaquecimento nas bobinas causado por nível de óleo do motor estar abaixo do especificado.

Sobre carga no sistema causado por acessórios

Folga nos rolamentos do virabrequim.

Lado esquerdo do virabrequim desalinhado fazendo o volante tocar as bobinas.

Volante (rotor) solto ou Estator solto.

Chaveta do rotor quebrada.

Para os testes práticos do estator e regulador/retificador  adotamos uma motocicleta modelo XLR 125ES ano 2001 com 39000 Km. que possui um sistema monofásico simples.

O serviço aqui executado adota praticamente a mesma técnica das demais motocicletas do mercado independente da marca e modelo e até do porte, porém é importante consultar e seguir o manual  de serviços da motocicleta afim de conhecer as ferramentas especiais os procedimentos de aperto, remoção e instalação de cada peça do conjunto e também saber qual o valor padrão para análise dos componentes.

ANÁLISE DA FIAÇÃO DO REGULADOR/ RETIFICADOR
Remova  a tampa lateral direita da motocicleta e em seguida o conector do regulador/retificador e aproveite para verificar a existência de possíveis oxidações e infiltrações de água  ou problemas de contato.

Proceda a medição  na fiação do componente nos seguintes fios:

Se todos os itens estiverem de acordo verifique o regulador/retificador

ANÁLISE DO REGULADOR/ RETIFICADOR
Efetue a medição conforme mostra a tabela.

ROTEIRO DE TESTES BOBINA DE CARGA
Remova a tampa lateral esquerda da motocicleta e solte o conector do estator. Efetue a medida de resistência  entre os fios

CONCLUSÃO:
De acordo com o manual de serviços se um dos valores obtidos na medição for diferente do padrão estabelecido é necessário substituir a peça, nas medições de resistência dos componentes a motocicleta analisada apresentou  resultados ligeiramente superiores ao indicado,  o acréscimo na resistência  da bobina de carga pode interferir no carregamento da bateria, para o caso analisado resta ainda verificar a fiação afim de identificar uma possível oxidação que pode interferir na carga.
comentários
Avaliar:

Comentários