Motos e Serviços - Paulo José de Sousa

Motor Retificado – Será que atende a todas as expectativas de durabilidade e credibilidade?

Retificar um motor de uma motocicleta é semelhante a uma cirurgia no coração do paciente - os dois devem continuar funcionando e para isso, utilizar componentes e serviços confiáveis é fundamental

Fig. 1 - Cilindro, pistão com anéis - motocicleta Titan 150cc

Mais cedo ou mais tarde a motocicleta irá precisar de uma retífica no(s) cilindro(s). O tema é polêmico e divide opiniões, contrapondo-se ao ponto de vista alheio, talvez a pergunta mais inteligente seria: quando o assunto for retífica de motor, o que é melhor para o bolso do consumidor?

Na tentativa de consertar o motor podem vir à mente de alguns reparadores e também dos consumidores as seguintes dúvidas:

Vale a pena retificar o motor?

O motor irá durar muito?

Vai dar mais manutenção?

A melhor opção é troca do cilindro?

Vamos apresentar alguns argumentos para ajudar o reparador a decidir, porém duas coisas sempre vão pesar na hora da escolha, são elas: preço e a disponibilidade de peças de reposição. Portanto como montar a equação custo versus durabilidade?

Compensa restaurar o motor?

Exceto para os cilindros revestidos, os fabricantes fornecem pistões sob medida que dependendo do modelo de motocicleta permitem até quatro retíficas. Os pistões são fornecidos em diversas medidas que variam de STD (Stander) - 0,25mm - 0,50mm - 0,75mm e 1,00mm ou STD, 0,50mm e 1,00mm. Portanto conclui-se que pelo ponto de vista dos fabricantes, considerando a utilização de peças genuínas, o serviço de restauração é tecnicamente viável.

Peças genuínas, o fabricante controla a qualidadeFig. 2 - Pistão e anéis originais de fábrica

Para o reparador pesa muito a experiência na hora da escolha, optar pela retífica e usar peças de qualidade duvidosa nem pensar, o profissional sabe que o barato sai caro, mas para toda regra há sempre uma exceção, tudo depende de quem paga o serviço.

De modo geral o reparador tem sempre que conciliar preço e qualidade, porém o mercado das grandes capitais oferece um mix de peças de reposição nacionais e importadas de boa qualidade e também peças com a durabilidade desconhecida, fica complicado combinar um kit de peças, há uma disputa confusa entre as peças niveladas nas qualidades: B, C e D (“A “é a peça genuína).

Cuidado com a escolha errada, retificar o motor e fazer a combinação de pistão e anéis de terceira linha pode ser um prejuízo que colocará em dúvida o procedimento de restauração do cilindro, a credibilidade da mão de obra do mecânico também entra no rol das dúvidas que de certa forma não tem nada a ver, mas na cabeça do cliente o reparador sempre será o responsável. Então, como evitar esse estrago?

No Brasil afora são muitas realidades, há clientes que não podem deixar a motocicleta parada por muito tempo, alguns são frotistas, motoboys, mototaxistas entre outros, por isso algumas oficinas propõem a troca e não a restauração do cilindro. Nas cidades mais distantes dos grandes centros nem sempre há retíficas especializadas em motocicletas, por isso a alternativa mais viável também é a troca do cilindro, o cliente paga um pouco mais pela peça original, mas fica satisfeito.

Peças de reposição de boa qualidade - pistão e anéis combinados ao cilindro retificado normalmente duram muito, é claro que a exatidão do trabalho de tornearia interfere na longevidade do motor. Talvez aqui o melhor caminho seja disponibilizar em estoque um conjunto de peças à base de troca, poupando o cliente do tempo de espera.

O que é a retífica?

A retífica é o processo de alargamento do cilindro, o desbaste interno tem o objetivo de retirar riscos, ovalizações e outras deformações. As folgas excessivas, assim como as imperfeições geométricas do motor gasto, impedem que os anéis e o pistão se ajustem ao cilindro para realizar a vedação e assim proporcionar máxima eficiência ao desempenho da motocicleta, o bom resultado só é possível quando o pistão “corre” em uma superfície bem uniforme.

A usinagem retira uma camada superficial do cilindro, o trabalho visa a restaurar a circularidade da peça para permitir o acoplamento do novo pistão e jogo de anéis, proporcionalmente o que foi retirado das paredes de cada cilindro é compensado em acréscimo ao tamanho do pistão e anéis, ex.: se o motor estiver “STD” (stander) após a primeira retífica ele irá para 0,25mm, portanto o novo pistão será 0,25mm maior que o anterior, vale uma ressalva: há cilindros com desgastes profundos, o dano não permite apenas um passe de retífica, o defeito só será removido após o segundo passe, ou seja o motor vai de “STD” para 0,50mm.

Durante a realização do trabalho é deixada uma pequena folga entre o conjunto, o ajuste visa à dilatação de material e o espaço para o lubrificante. Essa folga é conhecida como tolerância, cada fabricante define um padrão e o reparador deve utilizar os dados como base para os diagnósticos.

Normalmente a retífica do cilindro é realizada por empresas especializadas, porém há oficinas que executam o serviço com a mesma exatidão.

O recondicionamento visa a recuperar as condições originais do motor, mas o desbaste interno aumentará o volume do cilindro, em outras palavras um pequeno acréscimo na cilindrada. O cilindro bem retificado, montado com peças de qualidade, resulta em durabilidade. O motor recupera o fôlego, volta a ser econômico e silencioso.

Equipamentos e as etapas da retífica de cilindros

No mercado de equipamentos a bronqueadora de cilindros é uma máquina que recupera cilindros de motocicletas nos diversos diâmetros, algumas são conhecidas como “sorveteiras”.

Na linha de duas rodas a variedade de cilindros é grande, o equipamento deve atender à gama de motores que variam de 50cc a 800cc de volumes unitários.

O nosso objetivo é apenas dar a ideia do serviço sem a pretensão de ser “expert” no assunto, visto que esse trabalho deve ser realizado por especialistas.

A retífica é feita em algumas etapas:

Inicialmente é realizada pelos processos de mandrilamento seguido de brunimento e as fases do trabalho geralmente são: desbaste, semi-acabamento e acabamento.

Normalmente a ferramenta utilizada é o mandril, esta é a razão para uma das etapas da operação se chamar mandrilamento, no nosso caso deve ser com a máxima precisão para que o acabamento superficial atue com as tolerâncias definidas nos manuais de serviços, do contrário o serviço será perdido e provavelmente a peça também. A ferramenta de corte possui algumas arestas (partes cortantes) que em movimento circular removem as camadas superficiais do cilindro.

O acabamento final pelo brunimento é um processo de usinagem por abrasão, esta etapa pode corrigir falhas da etapa anterior, consiste em alisar a parede do cilindro de tal maneira que se formem pequenas linhas cruzadas entre si, formando ângulos pré-definidos, o objetivo é reter o lubrificante para facilitar o movimento do pistão e anéis e assim evitar o travamento durante o funcionamento.Fig. 6 - Representação gráfica da rugosidade das paredes do cilindro

Diagrama de vales e superfícies das paredes do cilindro do motor

Retenção do lubrificante nas paredes do cilindro conforme a condição:

1. Antes do amaciamento do motor;

2. Motor amaciado;

3. Motor cansado (desgaste excessivo em alguns pontos da parede do cilindro).

Fig. 7 - Cilindro e Pistão, motocicleta Titan 150cc

Sintomas que indicam a necessidade de reparo ou troca do cilindro

O barulho pode ser um indicador de defeitos, mas não é base para o diagnóstico preciso, nem sempre irá aparecer um “tic-tic” na parte de cima do motor, os ruídos geralmente vem da soma do movimento e atrito das inúmeras peças do cabeçote e cilindro, a experiência do reparador é muito importante na hora de determinar até onde o funcionamento do motor está normal.

No motor nem sempre haverá um parâmetro que estabeleça diferenças entre os ruídos, o que é barulho estranho para um analista pode ser música para o ouvido do motociclista.

Também não há receita que diga qual a quilometragem que define o fim da vida útil do motor, tudo vai depender dos cuidados anteriores.Fig. 8 - Pistão e anéis danificados

Os sinais indicadores que um motor precisa de retífica nem sempre serão claros e precisam ser investigados.

Ao abrir o motor o reparador pode se deparar com duas situações que irão determinar a troca do cilindro, ex.: riscos profundos na camisa que impossibilitam a retífica ou a peça já recebeu retíficas anteriores e não é possível sua recuperação pelo métodos tradicionais.

Durante a análise do defeito é importante ir um pouco além do óbvio e não ficar focado apenas nos itens envolvidos com o sintoma. O que seria uma simples retífica pode se transformar em uma abertura total do motor e uma alteração considerável no orçamento.

Fazendo a leitura da aparência do pistão acima (foto) percebe-se que a peça está com excesso de desgastes em uma das laterais, fruto do esforço excessivo durante o trabalho, o aspecto da imagem indica a possibilidade da biela estar desalinhada, a causa deverá ser investigada e solucionada.

Principais sintomas de defeitos no cilindro:

• Consumo excessivo de óleo lubrificante;

• Superaquecimento do motor;

• Fumaça azulada saindo pelo escapamento;

• Ocorrência de fumaça saindo pelo respiro do motor;

• Consumo excessivo de combustível;

• Baixa potência no motor;

• Marcha lenta irregular (não permite ajuste);

• Pressão da compressão do motor abaixo do especificado.

Principais causas de defeitos no cilindro:

• Falhas no sistema de arrefecimento;

• Falhas no sistema de lubrificação;

• Lubrificante abaixo do nível;

• Utilização de lubrificante não especificado;

• Desgaste normal em função da utilização;

• Utilização imprópria da motocicleta;

• Quebra de anéis;

• Ausência de filtro de ar;

Falhas de usinagem.

Testando o serviço após a montagem do motor retificado

Após a montagem, o motor deve ser posto em funcionamento, alguns itens devem ser verificados, ex.:

• Nível do óleo do motor;

• Pressão de óleo do motor ;

• Nível do líquido de arrefecimento (alguns modelos);

• Temperatura do motor (alguns modelos);

• Inspeção de vazamentos;

• Teste de pressão de compressão do cilindro.

Cuidados pós-reparo do motor

O tempo de vida útil do cilindro retificado é semelhante ao de um novo, porém a durabilidade do motor após o trabalho de retífica depende muito de alguns procedimentos básicos, como:

• Respeitar os limites de carga que a motocicleta pode transportar;

• Cautela no amaciamento do motor;

• Troca de óleo e filtro nos intervalos recomendados pelo fabricante;

• Manutenção no filtro de ar.

comentários
Avaliar:

Comentários