Pitstop - Caique Silva

Tendências mundiais na mobilidade marcam 1º Encontro da Rectilatina

O evento, denominado 1º Encontro Latino-Americano de Retíficas de Motores reuniu representantes de retificadoras da Argentina, Uruguai, Peru, Bolívia, Colômbia, Panamá, Brasil e Europa

Os próximos anos trarão novidades do mundo da tecnologia e mudanças na sociedade nunca vistas antes.  Essa constatação esteve presente na série de palestras técnicas e trocas de informações, promovidas pelo Instituto Internacional de Estudos da Mobilidade, vinculado ao Conarem, durante a 13ª Automec, evento que ocorreu em São Paulo entre os dias 25 e 29 de abril.

Segundo Omar Ricardo Chehayeb, diretor de Relações Internacionais do instituto, “A inovação tecnológica rompe com o segmento normal de um processo, muda paradigmas”, disse, ao iniciar sua explanação sobre como as tecnologias disruptivas estão transformando e vão modificar a oportunidade de negócios na área de serviços e comercial. O diretor ainda ressaltou que essas transformações já são perceptíveis nos novos sistemas de propulsão mais eficientes dos veículos que provocam menos poluição e nos automóveis conectados e autoguiados.

Entre o novo e o antigo

Ricardo Abreu, diretor de Tecnologia da Mahle, em sua participação no fórum, discorreu sobre os fatores mais importantes na indústria de veículos comerciais para os próximos dez anos. Uma das afirmações do diretor de Tecnologia foi a de que vale a pena recuperar peças e colocá-las novamente em circulação. Isso gera uma boa economia em custo e tempo. “Dados internacionais apontam que há um retorno de aproximadamente nove vezes o valor do investimento durante a vida do veículo se os seus componentes forem recuperados.”

Tecnologia 3D nos veículos

O engenheiro Andrés Cárdenas, da empresa Stratasys, que cria soluções em 3D aplicada à indústria automobilística, com unidades nos EUA e em Israel, apresentou estatísticas alcançadas com o uso dessa tecnologia. Cárdenas destacou a redução de tempo e custo para produção das ferramentas empregadas para fazer protótipos reais e funcionais. Segundo ele, a redução de custo pode chegar, geralmente, a cerca 50% e o tempo reduzido da produção em 90%.

 

Debate entre os participantes - Ao final do evento, foi realizada mesa redonda com representantes do setor de retíficas, fabricantes e distribuidores da Europa e da América Latina, onde um dos temas principais debatido foi o futuro do setor de retíficas. O negócio de retíficas, nos próximos 10/20 anos, não sofrerá grandes mudanças. O motor continuará sendo principalmente de combustão, mas haverá motores elétricos e híbridos e os retificadores devem se preparar para as mudanças que acontecerão e revolucionarão o mercado e a forma de como utilizar o automóvel.

comentários
Avaliar:

Comentários