Em Foco - da redação

3º Painel Asdap reúne mais de 160 participantes para debater a hora da reposição independente

Com auditório lotado, a Associação Sul-Brasileira dos Distribuidores de Autopeças contou com palestra de Daniel Fraga e painel com os representantes da indústria automotiva Jorge Schertel, Edvaldo Ricardo S. de Souza e Claudio Doerzbacher

A programação teve início com a palestra “O potencial de mercado na região Sul do País – a frota circulante e suas principais características”, com Danilo Fraga, analista de Marketing da empresa Fraga Serviços de Marketing. A apresentação trouxe dados sobre as vendas de veículos leves para o mercado interno desde 1995 e projeções até 2020, dados gerais da frota brasileira de carros, caminhões, motocicletas, ônibus, máquinas agrícolas e rodoviárias e gráficos com as evoluções da frota de veículos leves por faixa de idade, do crescimento da frota e consumo de combustível e do mercado de autopeças leve por região do Brasil.

Logo depois, foi realizado o grande painel “É hora da reposição independente”, com a participação de três representantes da indústria automotiva: Jorge Schertel, presidente do Grupo Affinia, que passa a se chamar Nakata; Edvaldo Ricardo S. de Souza, gerente de Marketing e Vendas da Mahle; e Claudio Doerzbacher, CEO da Gauss. Em relação ao cenário econômico atual, Jorge Schertel afirmou: “O momento agora é de cautela. A frota realmente está crescendo, mas o nosso problema não é o crescimento da venda, é vender certo. Hoje, estou muito mais preocupado com o cliente de vocês”. Segundo ele, agora não é hora de ter um estoque maior. “A situação ainda vai complicar um pouco mais até começar a melhorar. Devemos nos precaver, guardando uma posição financeira sólida.”

Quanto ao atual momento ser considerado a hora da reposição independente, Claudio Doerzbacher declarou que “diante de tantas dificuldades, tende a ser mais eficiente quem tem mais facilidade para se adaptar às mudanças”. “A hora é, sim, da reposição independente, porque essas dificuldades exigem que a gente consiga ser mais eficiente e entregar lá na ponta, para o consumidor e para o montador que irá atendê-lo, uma condição que atenda ele do ponto de vista econômico. Vejo o pessoal do mercado de reposição independente mais bem posicionado para isso.”

Sobre transformar os desafios em oportunidades, Edvaldo Ricardo S. de Souza enumerou: “Primeiro é uma questão de qualificação, que é um papel muito maior do fabricante, como forma de proteger o aftermarket. Depois, a gestão de custos, que é uma questão para a qual todas as empresas devem olhar com muito cuidado. Custo é que nem unha, tem que cortar todo dia. Tem também a questão da diversificação, ou seja, quanto eu posso agregar ao meu negócio e faturar menos para minimizar o custo fixo. Por fim, e não menos importante, o foco no caixa”.

Para fechar o evento, Cassio Hervé, presidente do Grupo Oficina Brasil, falou: o aftermarket brasileiro está vivendo e viverá os melhores momentos de sua história, pois reproduzimos aqui o crescimento sólido do pós-venda que será absorvido na maior escala pela rede independente de oficinas”, constatou. “Para ilustrar de onde vem a força do aftermarket e sua resiliência nos períodos de crise, basta extrapolarmos nosso cenário para o que ocorreu em Cuba. Se a indústria automotiva brasileira encerrar suas atividades, nossas 76 mil oficinas, a cada ano, terão mais serviços e mais peças serão consumidas!”

 

 

comentários
Avaliar:

Comentários