Administrar uma oficina é fácil e dá lucro - Fábio Moraes

Como usar o valor da hora vendida na sua oficina?

Encontrar este valor é essencial para as oficinas, por isso orientamos como fazer seguindo um passo a passo bem detalhado

No texto anterior aprendemos a encontrar o valor da hora vendida, por funcionário, na oficina. Agora, com este número na mão precisamos saber como e quando usar este indicador e com isso gerenciar melhor a oficina. Vamos aprender?

Análise do histórico

O indicador “valor da hora vendida” precisa de um histórico para te ajudar, proprietário, a tomar decisões, e é este histórico que vai mostrar os funcionários mais produtivos e os menos produtivos.

Imagine que você já está buscando este indicador no seu software de gestão nos últimos seis meses e conseguindo visualizar funcionário por funcionário.

Ao transformar estas informações em um gráfico, você, como proprietário, poderá não somente ver, como também enxergar o desempenho de cada funcionário baseando-se no indicador de horas vendidas. Veja o exemplo abaixo.

No exemplo acima fica evidente que o funcionário A está vendendo mais horas do que o funcionário B e o funcionário C. O importante agora, de posse desta informação, é interpretar o que ela quer nos dizer e tomar decisões que melhorem o desempenho dos funcionários B e C.

Como usar o valor da hora vendida?

Passo 1

Levantar nas OS´s todos os serviços que foram executados pelos funcionários, separadamente, para identificar se o funcionário A é mesmo aquele que vende mais serviços, através do seu trabalho, ou se os melhores serviços estão indo para ele e os mais difíceis (que demoram mais tempo para serem executados) para os funcionários B e C.

Passo 2

Apresentar o gráfico para todos os funcionários e explicar a diferença que existe entre eles quando analisamos o indicador de horas vendidas. Explicar para eles, apresentando o gráfico, que a empresa precisa que eles vendam uma quantidade de horas no mês sem muita distorção. Explicar sobre como está a distribuição dos serviços e para qual formato será ajustado. Explicar que todas as despesas fixas da oficina devem ser pagas com a venda de serviços (mão de obra) e para que isso aconteça é necessário que cada um dos dois (funcionários B e C), vendam mais.

Passo 3

O proprietário da oficina precisa analisar este indicador diariamente para ir corrigindo eventuais divergências referentes à venda de horas. Já no dia seguinte e, ao mesmo tempo, conversar com os produtivos. Quando o mês fechar, sua oficina já terá adiantado várias ações para melhorar este indicador.

Passo 4

O indicador de horas vendidas não mede a produtividade de um funcionário, mas já é um indicador muito forte para te mostrar quais funcionários sua oficina deve investir mais e quais funcionários você, como proprietário, tem que planejar uma substituição, caso os passos 1, 2 e 3 não tragam os resultados esperados após um período de monitoramento.

Conclusão

Siga todos os passos com regularidade e aos poucos avalie quanto, em horas, cada funcionário seu está vendendo (através dos serviços que ele faz nos carros) e quanto em dinheiro cada um consegue colocar na oficina ao final do mês. Lembre-se que a venda de serviços precisa pagar todas as despesas fixas de sua oficina.

Faça isso com regularidade e verá como não é difícil acompanhar o indicador de horas vendidas e principalmente como você enxergará melhor os números para transformá-los em gestão. “Sem gestão não há solução”

Fábio Moraes

CEO da empresa Ultracar, com 25 anos de experiência em gestão e administração de oficinas. Matemático, Analista de sistema e Administrador de empresas. Auditor do IQA, (Instituto de Qualidade Automotiva), consultor do IAA e consultor de várias oficinas do Brasil. Está viajando o Brasil inteiro neste ano de 2017 ministrando palestra com o tema “Oficina de sucesso é oficina rentável: transformando reparadores em empresários”

 

comentários
Avaliar:

Comentários